Comentários da Lição 9 (3º Trim/2016) por Filipe Lima
24/08/2016
Comentários da Lição 10 (3º Trim/2016) por Filipe Lima
02/09/2016

Meditação de Pôr do Sol de 02/09/2016 por Lucia Bonazzi

ESPERE SEMPRE NO SENHOR

 

Entrega teu caminho ao Senhor, confia nele e o mais Ele fará.” Salmo 37:5

 

Sou de uma família humilde do interior de Minas Gerais. Quando viemos de lá, eu tinha apenas oito anos de idade. Com o esforço de meus avós e minha mãe, conseguimos comprar um terreno e construir uma casa simples, onde fui criada com mais duas irmãs. Minha avó era católica não praticante e nos educou com muita dignidade. De vez em quando nós íamos à igreja.

Quando tinha 13 anos, nossa família recebeu a visita de um senhor da Igreja Adventista de Campo Grande, bairro da Zona Sul de São Paulo. Nós recebemos estudos bíblicos, porém, sem muito interesse. Como eu era adolescente, comecei a ir à igreja apenas para fazer amizades. Conheci algumas meninas de minha idade e passamos a ir à escola juntas. Alguns meses depois, fui batizada com minhas irmãs e meus avós.

Como qualquer jovem, aos 18 anos comecei a ter o sonho de me casar. Minha avó era muito severa e nunca tive muitos namorados. Contudo, em 1970, alguns jovens italianos foram morar em frente à minha casa. Eles sempre achavam uma oportunidade para conversar conosco quando estávamos no portão, apesar da dificuldade com nosso idioma. Certo dia, um deles se aproximou e disse que, no sábado à noite, ocorreria o festival de San Remo, evento muito famoso na Itália. Como a televisão dele estava quebrada, perguntou se poderia assistir às apresentações em nossa casa. Apesar de ser uma grande mentira dele, eu inocentemente disse que sim.

Após algum tempo começamos a namorar; porém, ele não era cristão nem conhecia a Igreja Adventista. Minha avó não aceitava essa situação e, por causa disso, tivemos alguns problemas. Continuei indo a todos os cultos e, embora eu o convidasse, em quatro anos, ele nunca me acompanhou. Minha avó jamais deixou que saíssemos juntos e decidimos nos casar.

No primeiro sábado após o casamento, eu me arrumei como de costume para ir à igreja. Então, perguntei- lhe se poderia me buscar. Sua resposta me pegou de surpresa: ele disse que iria comigo. Para minha felicidade, desde aquele dia nunca mais fui à igreja sem meu esposo. Contudo, ele não se decidia pelo batismo nem por devolver o dízimo, apesar de ser ofertante. Após 39 anos de casamento, em 19 de outubro de 2013, ele foi batizado. Foi um dia muito feliz para toda minha família e uma grande surpresa para a igreja do IASP, que não acreditava que ele ainda não fosse batizado, pois sempre foi um esposo, pai e cristão exemplar. Após um mês de batismo, ele já servia à igreja como diácono, trabalho que faz com muito carinho. Alguns dias antes de avó falecer, no hospital, ela disse o quanto apreciava meu esposo.

Louvo a Deus pelas bênçãos e pela paciência que Ele tem conosco. Nunca desista, confie sempre!

Lucia Bonazzi
Membro da igreja do IASP desde 1990. Diaconisa chefe há mais de 10 anos, destes a 4 consecutivos.

 

Os comentários estão encerrados.