Meditação diária de 24/05/2019 por Flávio Reti – Anton Flettner
24/05/2019
Impacto Esperança 2019
24/05/2019

Meditação de Pôr do Sol 24/05/2019 por Rubens Pereira Rios e Isbela Martins Rios

E TODOS FOMOS À IGREJA

“Quando me lembro disto, dentro de mim derramo a minha alma, pois eu havia ido com a multidão, fui com eles à casa de deus com voz de alegria e louvor com a multidão que festejava.” Salmo 42:4

Para uma pessoa qualquer, religiosa ou não, essa história acontecida há muitos anos atrás, poderia ser um caso corriqueiro ou comum, mas para mim e para minha família foi muito gratificante. Até hoje ainda guardo na memória essa memorável demonstração do amor de Deus. E antes de continuar com a narrativa, devo contar um pouquinho sobre a minha família.

Nasci num lar Adventista do Sétimo Dia, mas não foi sempre assim, pois meu pai era católico antes de aceitar a mensagem do Advento. Nessa época eles já tinham meus quatro irmãos mais velhos e a família aumentaria ainda mais com a minha chegada e de mais três irmãs totalizando oito. Imagine a dificuldade deles ao criar esta prole numerosa. Além disso, ao Joaquim Pereira Rios, meu pai, se converter, ficou tão radiante com a Mensagem, que se tornou um pregador leigo ganhando muitas almas para Deus em várias cidades, pois não gostava de se fixar num local.

Uma das últimas cidades em que nós moramos foi em Lavras, no interior de Minas Gerais. Isso foi a setenta anos atrás quando lá não havia ainda nenhuma Igreja Adventista. Ao nos mudarmos de lá, meu pai deixou algumas pessoas aguardando pelo batismo. Atualmente, Lavras é uma grande cidade com boas igrejas e um abençoado Colégio Adventista.

De lá fomos morar em Poá, em São Paulo, no subúrbio da linha troco da antiga Central do Brasil entre a capital e Mogi das Cruzes. Lá também não havia Igreja Adventista e íamos todos os sábados para a igreja de Itaquera, cidade distante de Poá por três estações. Essas pequenas viagens e as ofertas semanais tinham um custo para os bolsos do meu pai, mas ele nunca reclamou até um sábado que nunca me esquecerei.

Meu pai estava com pouco dinheiro e só dava para 1 (uma) a passagem de ida e volta. Na sexta-feira à noite ele decidiu com a minha mãe que ela iria à igreja com a Sonila, minha irmã caçula de cinco anos, pois ela não pagava passagem.

No dia seguinte, elas saíram cedo. Eu, um adolescente de 13 anos, vi minha mãe triste indo com minha irmãzinha rumo à estação de trem. As ruas eram de terra, era cedo e iam devagar quando minha irmã pequena abaixou-se e pegou um papel um pouco sujo de poeira no chão. Minha mãe ia zangar-se com ela, quando notou que aquele papel imundo tinha algo familiar, parecia uma nota, e era mesmo. Isto fez com que as duas voltassem jubilosas de felicidade para nossa casa, com a minha mãe gritando lá do portão: “APRONTEM-SE, VAMOS TODOS PARA A IGREJA!” Aquele foi um sábado maravilhoso para todos nós!

Que hoje, o seu sábado também seja um dia MARAVILHOSO!

 

Rubens Pereira Rios e Isbela Martins Rios

Membros da Igreja do UNASP Hortolândia desde 1984. Diácono e Diaconisa. Rubens é maestro de corais e fundador do coral masculino Tradisom.

Os comentários estão encerrados.