Comentários da Lição 3 (1o Trim/2019) por Classe 3
18/01/2019
Inscrição para o Clube de Aventureiros Luzeiros da Colina
18/01/2019

Meditação de Pôr do Sol 18/01/2019 por Anderson Silva Claro

O Último Lugar

“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á” (Mt 7:7)

Ainda me lembro com grande carinho daquele final de ano de 1998. Naquela ocasião, tive uma das experiências com Deus mais especiais de toda minha vida. Mudara-me há pouco para Campinas e já não frequentava mais a igreja do IASP devido à distância. Foram tempos difíceis para minha família. Problemas de doença e separação fizeram com que ela se desfizesse em mágoas e tristezas e chegamos a passar por grandes problemas financeiros. Em meu coração, porém, procurava manter a fé que uma vez me foi dada naquele que tudo criou. Sabia que precisaria me esforçar para conseguir entrar em uma boa faculdade para ajudar minha família e realizar meu sonho. Mas não tinha como pagar uma faculdade privada. Contando com a ajuda de um tio, consegui um emprego com baixa remuneração, mas que me permitia pagar um curso pré-vestibular, e estudei, estudei muito! Dormia pouco e estudava até cair sobre as apostilas e livros. Sabia que um curso concorrido dependia de uma dedicação extraordinária. Lembro-me de um primo, que se dizia ateu, procurando me convencer de que o “Sistema” não me permitiria passar na universidade pública. Sendo assalariado e pobre, meu destino já estava traçado. Não lhe dei ouvidos. Pelo contrário, essas palavras faziam aumentar ainda mais minha dependência do Altíssimo e a colocar toda minha esperança nEle. E assim, dizia ao meu primo que Ele ainda veria o trabalhar de Deus me ajudando a vencer o “sistema”. Em uma noite próxima às provas, não conseguia dormir. Rolei da cama e cai de joelhos. Orei apenas dizendo: “Pai, ajude-me! Por favor, ajude-me a passar, nem que seja em último lugar!” e fiquei o restante do tempo chorando baixinho diante dEle. As lágrimas escorriam abundantemente pelo meu rosto. Creio que aquelas poucas palavras ecoaram no infinito e chegaram ao trono do Pai. Fiz as provas e aguardei com ansiedade as chamadas para matrícula. Essas chamadas levavam dias para serem publicadas e acompanhei com fé uma após a outra. Porém, para minha decepção, chegou a 4ª lista e meu nome também não estava nela. Lembrei-me na mesma hora de meu primo ateu e de suas palavras. Lembrei de Deus e, com lágrimas nos olhos, pensei em reclamar por não ter sido atendido. Mas uma paz entrou em meu coração e me levou a renovar minha fé. Ergui a cabeça, enxuguei as lágrimas e decidi me preparar para o vestibular do ano seguinte, ainda que meu coração ainda estivesse muito apertado. Alguns dias se passaram e voltei à minha rotina. Estava trabalhando quando alguém me ligou e disse que minha mãe havia recebido uma ligação da universidade, dizendo que eu deveria me apresentar no diretório acadêmico urgentemente. Achei que era trote, mas mesmo assim fui, quem sabe não era verdade! Ao chegar, fui bem recebido e me disseram que, por algum motivo, dois alunos desistiram e eu era o próximo da lista. Tinha passado em penúltimo lugar! Fui convidado, juntamente com outro rapaz, que havia ficado em último, para assinarmos a matrícula. Um dos que estavam na sala me aguardando me disse: “Parabéns, mais novo engenheiro!”. Que alegria estava sentindo! Mas o que mais me impressionou foi que, estranhamente, a secretária trocou minha ficha de matrícula com a de meu colega e, para minha surpresa, fui matriculado como o último lugar da minha turma. Impressionante! Era o que havia pedido! Isso me seguiu por todo o tempo do curso, pois era o último da chamada sempre, para que eu não me esquecesse de que não foi apenas pelo meu esforço, mas porque a mão de Deus agiu de uma forma maravilhosa em meu favor e com impressionante detalhe. Jesus disse: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á” (Mt 7:7), e o autor de Hebreus: “Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam” (Hb 11:6). Essa experiência me segue por toda minha vida, não apenas pelo fato de ter concluído a faculdade e restabelecido minha família, mas pela forma como Ele agiu. Entendo que foi a forma que Deus usou para falar comigo, sem palavras na compreensão humana. Ele mostrou que seu cuidado por nós se realiza nos menores detalhes, pois Ele se importa profundamente conosco. Ele nos ama de uma forma incomparável e nenhuma de nossas orações passa despercebido diante daquEle que deu seu único filho por nós. Peça a Ele, quer seja para ser o último, ou o primeiro, e você verá o agir específico dEle em sua vida!

Anderson Silva Claro

Fui batizado na igreja do UNASP-HT na primavera de 1992, aos meus 12 anos de idade. Por motivos familiares, mudei-me para. Cerca de 20 anos depois, volto para participar novamente desta igreja mui querida, que nunca saiu do meu coração.

Os comentários estão encerrados.