Comentários da Lição 11 (4o Trim/2019) por Classe dos Pais
13/12/2019
Meditação diária de 14/12/2019 por Flávio Reti – Roald Engelbregt Gravning Amundsen
14/12/2019

Meditação de Pôr do Sol 13/12/2019 por Marli Moreira Martins

2019-12-13

Os sonhos de Deus são maiores que os seus

“Peça a Deus que abençoe os seus planos e eles darão certos. ” (Provérbios 16: 3)

Nasci no interior do Paraná, Município de Pitanga, um lugar muito simples sem muitas condições financeiras para necessidades básicas do dia a dia. Mas me recordo com muita alegria dos meus irmãos, primos e amigos, dos momentos em que criávamos nossos próprios brinquedos, e que brincávamos em meio a natureza, na mata, no rio.

Entre uma brincadeira e outra eu tinha a obrigação de fazer as minhas tarefas domésticas para ajudar minha mãe, pois ela trabalhava na roça e chegava muito tarde e cansada. Então além de lavar a louça, limpar a casa, já deixava os baldes cheios de água, buscava a lenha e mantinha o fogão quentinho para que ela terminasse o jantar. Não demorou muito para eu perceber o quão difícil era aquela vida, e ficava muito triste vendo minha mãe sempre trabalhando, e ao mesmo tempo não tínhamos dinheiro para nada.

Muitas vezes fui trabalhar com ela, trabalhar modo de dizer, pois mal conseguia segurar a enxada, ou colher feijão e milho que aparentemente era mais fácil. Quando voltávamos para casa, cansada, ela sempre me dizia, que não era aquilo que sonhava para nossa vida, e que eu tinha que estudar para ser alguém na vida. Mas como ser alguém na vida em um lugar onde não via futuro algum, escolas distantes, andávamos quilômetros para chegar onde passava o ônibus, sem perspectiva de vida alguma.

Na igreja o Pastor sempre me motivava, e sempre falava dos colégios internos, minha prima também estudava no IAE e com isso comecei a sonhar e idealizar minha vida em um colégio, pensava em tudo, mas quando chegava a parte financeira, o sonho acabava e voltava a realidade.

Comecei a orar por este sonho, e sai de casa com 12 anos. Agradeço imensamente minha tia, pois ela me acolheu em sua casa, morei com sua família, primos queridos que se tornaram irmãos. Ela sempre muito caprichosa e detalhista com a limpeza e organização, lá meu dia começava às 5h00 da manhã, tirando leite e só terminava após o jantar, quando tudo estava em perfeita ordem. Difícil? Sim, mas não impossível!

Frequentava a Igreja de Chapéu do Sol, em uma conversa com o Pr. Elias Kley Fernandes e sua esposa, me senti desafiada, a largar tudo e encarar a vida de outra forma. Foi o que fiz, eles me mostraram que não podemos ficar parados, se desejamos algo e oramos para Deus, temos que ter atitude para que nossos sonhos se realizem.

Menor de idade em Curitiba, sem documento, só poderia ser providencia divina. Meus dias não foram fáceis, deixei minha família, a saudade era grande, mas ali conheci pessoas que tinham uma vida semelhante à minha, e que tinham passado por colégios internos, e nossas histórias eram muito parecidas, isso me motivou ainda mais. Foi através delas, que consegui um trabalho na Clínica adventista São Roque, onde conheci outras pessoas que sempre me incentivaram a chegar onde eu queria.

Escrevi uma carta solicitando bolsa de estudos para o Diretor do IASP, na época era Pr. Celestino Souza.  Minhas orações foram ainda mais intensas, pois estava tão perto de realizar este grande sonho. Logo recebi os formulários para preencher, tive cuidado para fazer tudo corretamente, mas confesso que fiquei insegura, pois um dos itens no documento perguntava quem seria o responsável financeiro, eu coloquei meus pais, mas lógico que não seriam eles, como eles pagariam o colégio sem condições alguma? Coloquei a carta no correio e fiquei aguardando. No mês de dezembro de 1994 eu recebi a resposta que havia ganhado a bolsa de estudos, e que eu teria que estar no colégio em duas semanas. A emoção era grande, chorava e ria ao mesmo tempo, Deus foi maravilhoso comigo.

Quando cheguei ao IASP escrevi para minha mãe avisando que estava no colégio e que tudo estava bem, mas não sabia quando voltaria para casa. Depois deste momento comecei a pensar como faria para me manter, pois teria que trabalhar aos domingos, férias e feriados para cumprir o total de horas solicitado.  As dificuldades começaram a aparecer, sempre fui muito responsável com meu trabalho, e meus estudos, mas fiquei desanimada, doente, a ponto de desistir e voltar embora, mais uma vez pedi à Deus forças para não desistir, e que minha saúde fosse restabelecida, para que eu voltasse a fazer minhas atividades diárias. Só Deus sabe quantas vezes clamei à Ele no silêncio da noite, mas me fortalecia, em saber que minha mãe também orava por mim, ela sabia que aqui era um bom lugar.

Estudei 3 anos como aluna interna, e vivi os melhores momentos da minha vida, me aproximei ainda mais de Deus, tive os melhores amigos e os levarei para sempre em meu coração. Aprendi a amar e respeitar ao próximo, cada um com suas dificuldades na qual se encontravam naquele momento. Motivei meu irmão e minhas primas a passarem por esta experiência, pois foi algo de extrema importância para minha vida, e queria que eles também tivessem esta oportunidade.

Os sonhos de Deus são maiores que os seus!

Não deixe que as pessoas te façam desistir daquilo que você quer na vida.

Acredite. Lute. Conquiste. E acima de tudo seja feliz com Cristo.

Ore, aguarde e tenha fé, Deus sempre sabe o que faz!

É um grande privilégio trabalhar nesta Instituição, pois faz parte dos meus sonhos, e estava nos planos de Deus. Que o Senhor nos abençoe!

 

Marli Moreira Martins

Pedagoga – Casada com Silas de Magalhães Martins, seus filhos Leonan e Luidy. Frequenta Igreja do UNASP-HT a 24 anos. Professora do Rol A 18 anos.

Os comentários estão encerrados.