Comentários da Lição 6 (4o Trim/2019) por Classe dos Pais
08/11/2019
Meditação diária de 09/11/2019 por Flávio Reti – Holger Klaus Meins
09/11/2019

Meditação de Pôr do Sol 08/11/2019 por Ernesto Bussacarini

2019-11-08

Uma Criança e o milagre de Deus

 “Jesus olhou para eles e respondeu: “Para o homem é impossível, mas para Deus todas as coisas são possíveis”. Mateus 19:26

 Certa vez, em Dois Córregos (SP), Dona Ida ficou preocupada com seu filho de apenas um ano e meio após notar que uma de suas pernas estava estranhamente encolhida. Em Jaú, o Dr. Vasconcelos tratou a apendicite e hérnia e em poucos dias já estava curado.

Quando seu filho tinha cinco anos, ingeriu bananas ainda verdes e alguns instantes depois entrou correndo em casa e choramingando: “Mãe, mãe estou com muita dor na barriga”. A mãe pediu para que ele fosse deitar enquanto ela preparava um chá. Ele tomou, mas vomitou tudo. A Tia Alda disse para ver se tinha a ver com barriga. Após o Dr. Vasconcelos examinar, verificou-se um inchaço anormal, como uma bola. Então, ele pediu que o garoto fosse internado na Santa Casa de Dois Córregos, pois no dia seguinte iria operá-lo. Pouco tempo depois da cirurgia, um dos pontos se rompeu. Levado ao médico novamente, o médico fez a limpeza e refez os pontos, e o menino ficou 5 dias em observação.

O menino foi para casa, mas o sofrimento e dor estavam presentes. Tudo que era ingerido saía lentamente pelo corte e borbulhava 24 horas por dia. Este líquido agredia a pele, exalando cheiro de carne podre. Ao completar seis anos de idade, ele estava entre a vida e a morte. Alguns amigos diziam para Dona Ida levar o menino para Campinas para salvá-lo.

A mãe indagou o Dr. Schellini, médico italiano e vizinho, sobre o ocorrido e ele respondeu: “Dona Ida, o procedimento foi correto, o que precisa é o organismo reagir”. Esse médico, com uma atitude humanitária, sem cobrar um centavo, visitava o menino todas as tardes. A mãe, que era católica fervorosa, entregou a situação a Virgem Maria. O drama estava completando oito meses.

Certa tarde, o médico perguntou para a mãe se ela havia feito alguma coisa, pois não havia mais nada vazando pelo ferimento. Passados dois dias, as fezes desceram normalmente. O milagre estava confirmado, não pela Virgem Maria, mas sim pelo Senhor Jesus.

O garoto cresceu, estudou, casou e mudou-se para a capital. Vinte e três anos depois, em 07/10/1961, Jesus operou o segundo milagre. No Ginásio do Pacaembu, em um batismo coletivo onde 330 almas se entregaram a Cristo e 22 Pastores batizavam, minha esposa Ângela e eu nos entregamos para uma nova vida. Alguns anos depois, abraçamos o trabalho missionário com nosso carro e alto falante anunciando a volta do Senhor Jesus. Em 2018, completamos 30 anos desse trabalho e atingimos 200.000 folhetos distribuídos e várias almas batizadas. Glória, aleluia, amém.

 

Ernesto Bussacarini

Membro da Igreja UNASP-HT

 

Os comentários estão encerrados.