Meditação diária de 30/12/2018 por Flávio Reti
30/12/2018
Feliz Ano Novo 2019
31/12/2018

Meditação diária de 31/12/2018 por Flávio Reti

31 de dezembro

Grifo

Lucas 21:33   “Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras jamais passarão”

Esse animal eu aposto que você nunca viu e aposto também que nunca vai ver e explico o porquê: Porque essa criatura nunca existiu, é um animal lendário da mitologia grega. Segundo a lenda grega, ele tinha cabeça, asas e garras de águia e corpo e cauda de leão. Fazia ninhos em algum lugar chamado de “bolcacas” que ninguém sabe explicar o que era e botava ovos de ouro sobre ninho também de ouro. Às vezes ele botava também ovos de ágata, uma pedra preciosa de cor leitosa e opaca. Acredita-se que a lenda dos grifos tenha se originado entre os persas, babilônicos e assírios e perdurado até a cultura grega entrar no seu auge. Conforme descrevem as lendas, os grifos eram conhecidos por representar as virtudes da sabedoria e da força e por isso é comum encontrar grifos na heráldica (a arte de fabricar brasões) medieval consequentemente nos brasões de família. Para a mitologia grega, o grifo era um animal que pertencia ao deus dos deuses, Zeus, e que era o protetor das riquezas na nação. E para complicar a lenda, o grifo podia procriar com uma égua e daí nascia um hipogrifo que era outro animal com cabeça de águia, patas de cavalo com garras, asas com penas e corpo também de cavalo. Outras lendas sobre os grifos descrevem-no como portadores de propriedades médicas e medicinais. Cria-se que as penas de suas asas tinham o poder de recuperar a visão das pessoas cegas. Assim a crendice ia se multiplicando e se complicando enquanto o povo se perdia nos meandros da tradição folclórica.

Se você leu até aqui, você percebeu quando baboseira você leu até agora só nessas poucas linhas acima? E saber que toda a literatura grega era fundamentada em mitologia da qual nada se aproveitava. Imagina como era, então, a capacidade das pessoas de filtrar o que era real e o que era imaginário, como saber se o que estavam falando era real ou ficção, se era verdade ou se era mitologia. Os gregos criaram deuses para tudo que você puder pensar. Se pensar no mar, eles tinham Netuno. Se pensar em uva, vinho, eles tinham Baco, se pensar na agricultura, eles tinham Hefesto, se pensar no sol e na luz, eles tinham Apolo, se pensar em sabedoria, cultura, eles tinham Athenas, se pensasse no amor, eles tinham Afrodite. Tinham mais deuses do que gente na rua. No entanto, nada disso poupou a Grécia de cair nas mãos dos romanos e deixar para trás a sua cultura mística que hoje nada se aproveita. Passou a fase Grécia.

O problema é que nós também estamos passando, o tempo é implacável, logo, muito logo, não restará de nós sequer lembrança. A menos que Deus tenha misericórdia e nos salve para seu reino, daí sim, vamos viver eternamente. Do contrário, nosso fim está próximo, vai acabar assim como acabou a lenda do grifo e assim como estamos acabando este ano. Tudo nesta vida passa para a eternidade, para nunca mais, a menos que Deus intervenha para nos salvar, do contrário somos também qual uma nuvem de fumaça que está passando.

Os comentários estão encerrados.