Meditação diária de 28/08/2018 por Flávio Reti
28/08/2018
Concílio Integrado da UCB 2018
29/08/2018

Meditação diária de 29/08/2018 por Flávio Reti

29 de agosto

O Frango d’agua (Gallinula melanops)

Salmos 27:5   “Pois, no dia da adversidade, me esconderá no seu pavilhão, no recôndito do seu tabernáculo me esconderá, sobre uma rocha me elevará”

O frango d’agua às vezes recebe o nome de saracura, mas é um pouco diferente. A saracura é mais avermelhada e tem as pernas compridas, sem rabo e de bico mais longo. Os hábitos de viver nos pântanos e à procura de insetos, sapinhos, rãs, minhocas é o mesmo. Ele é encontrado em quase todo o mundo. Seu hábito de vida é nos banhados e charcos à beira de lagos e de rios porque ele gosta de nadar entre a vegetação à cata de alimento e pequenos animais. Muitas vezes ele é visto caminhando por cima da vegetação flutuante e ao menor sinal de perigo ele sabe também voar. Mas seu voo é curto e ele não voa para longe da água, sempre voa e pousa por perto. Sua melhor segurança está quando mergulha, porque ele desaparece das vistas e vai por baixo da água usando as asas como remo, sobe para respirar e afunda de novo até confundir o inimigo. Para os criadores de peixes em lagos artificiais ele é um terror, porque come os alevinos e dá um prejuízo tremendo para os piscicultores. A espécie vem desaparecendo ultimamente e mais uma vez a causa é o próprio homem que come seus ovos e os caça sem pudor para alimentação, porque na época de postura ela perde as penas na confecção dos ninhos e isso a impede de voar com presteza. Outra causa do declínio da população do frango d’agua é a presença de pesticidas usado nos arrozais, os locais que eles frequentam com frequência. Ele corre o risco de comer insetos envenenados com pesticida e acaba morrendo ele mesmo envenenado.

Sabe, o pecado é como um veneno que vem envenenando a humanidade que está morrendo sem se dar conta da causa. Muitas vezes, enquanto o homem corre atrás de sua sobrevivência, ele acaba se envenenando com o pecado e vem a morrer, infelizmente. Morrer um frango d’agua porque se envenenou com um inseto contaminado é uma coisa, mas morrer um ser humano porque se envolveu com algum pecado é bem outra coisa. Mas graças a Deus que providenciou um antídoto para o pecado dos homens, a morte de Jesus. Logo, para evitar a morte do frango d’agua é simplesmente não envenenar as lavouras e para evitar a morte dos seres humanos é mais simples ainda, é apenas aceitar o sacrifício de Jesus para perdão dos nossos pecados. “Graças a Deus que nos dá a vitória por meio de Cristo Jesus, Nosso Senhor” (I Cor.15:57).

Os comentários estão encerrados.