33º Encontro de Ex-Alunos – 1 a 3 de Junho de 2018
28/05/2018
Livro: “O PODER DA ESPERANÇA – Segredos do Bem-Estar Emocional”
29/05/2018

Meditação diária de 29/05/2018 por Flávio Reti

29 de maio

O Veado (Cervus elaphus)

Provérbios 27:12   “O prudente vê o mal e se esconde, mas os insensatos passam adiante e sofrem a pena”

Venatu era a palavra que os romanos, que falavam o latim, tinham para designar a caça depois de morta e que chegando até nós, foi aplicada a uma espécie de cervídeo mais comum no Brasil e que servia de caça para os primeiros colonizadores. A palavra “venatu” ao se adaptar no Português nos deu a palavra “veado”. Veado, em zoologia, é um nome que damos a uma das espécies da família dos cervos, um animal de pequeno porte que pesa em torno de 18 quilos e não passa de 60 centímetros de altura. Quando é ainda jovem tem o pelo marrom salpicado de pintas brancas. Só os machos possuem chifres. Quando criados em cativeiro, eles se domesticam facilmente chegando a frequentar a casa das pessoas como um cão ou um gato. Sua alimentação se compõe basicamente de folhas e de frutas. Por enquanto ele está fora da lista do IBAMA, significando que ainda não está em perigo de extinção. É um animal abundante nos cerrados do Brasil. Eu me lembro de um tratorista que estava abrindo uma estrada rural e viu atrás dele, acompanhando a abertura feita na mata, um veado que vinha seguindo despreocupadamente. Ele desligou o trator, se escondeu como pode e, quando o animal de aproximou, ele o atingiu com uma garrafa de vidro cheia de água que ele tinha consigo e em seguida matou o pobre animal para comer.

A aproximação do pobre animalzinho foi a sua desgraça. Ele se aproximou muito confiante de um homem sem escrúpulos que o matou impiedosamente. Aqui está uma grande lição para todos os cristãos que às vezes não desconfiam das intenções do nosso adversário, o diabo. Não é sábio confiar nem se aproximar demais daquele que só tem más intenções a nosso respeito, porque ele pode estar munido de alguma maneira, com alguma arma nas mãos que desconhecemos e que nas mãos dele pode significar nosso fim e nos atingir de tal modo a poder depois tirar nossa vida. O pobre veadinho confiou que passaria pela recém aberta estrada, passando perto do trator parado e desligado, mas ignorava que dentro dele estava um tratorista assassino. Assim também nós, podemos estar passando pelas estradas da vida despretensiosamente, sem desconfiar de nada, e podemos estar nos aproximando de um perigo mortal. Vamos orar a Deus para que nos faça ver o que está à nossa frente para evitarmos o perigo da morte certa.

Os comentários estão encerrados.