Participe agora da Pesquisa da Igreja Adventista 2018
27/10/2018
Meditação diária de 29/10/2018 por Flávio Reti
29/10/2018

Meditação diária de 28/10/2018 por Flávio Reti

28 de outubro

A Formiga Asteca  (Formicidae, Dolichoderinae)

Hebreus 12:14   “Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor”

Aqui no Brasil, a formiga asteca recebe um outro nome, formiga de embaúba. A embaúba é uma planta cujo tronco é oco e as formigas preferem nidificar dentro desses troncos, nos espaços entre os nós da planta. As pesquisas dizem que a formiga asteca e a embaúba se ajudam uma a outra, porque a embaúba produz uma seiva que serve de alimento para as formigas e estas em troca protegem a planta contra outros insetos aproveitadores e outras plantas que porventura venham a sufocar a embaúba. O nome dessa ajuda mútua é simbiose e é exatamente isso que dizem existir entre a embaúba e a formiga asteca. É até normal haver simbiose entre animais diferentes, um se serve do outro e vice-versa, ou um ajuda o outro e vice-versa, ou entre plantas de espécies diferentes se servirem e se ajudarem mutuamente, mas animal viver em simbiose com planta não é normal. A formiga ganhou esse nome porque entre os astecas, os antigos habitantes do que hoje é o México, era comum comer insetos por serem ricos em proteína e pobres em gordura e a formiga era um dos insetos preferidos pelos astecas. Quando abriam um gomo da embaúba, eles sempre encontravam muitas formigas e muitas larvas de formigas e por isso associaram a formiga com o nome asteca ou formiga-da-embaúba.

O que destacamos nessa história de formiga e embaúba é a cooperação do animal com a planta ou da planta com o animal. Geralmente animais como pulgão, lagartas, bactérias se aproximam das plantas para delas se aproveitarem, devorá-las e ficar por isso, mas nesse caso não, as formigas se utilizam da planta e a planta se beneficia com a presença da formiga asteca. Um bom exemplo de como nós todos deveríamos viver nesse mundo. Se nenhum homem é uma ilha e se todos precisam aprender a viver em comunidade, aqui está um modelo: Um viver para o outro, se ajudando mutuamente. Como nem todos são plenos, sempre há alguma necessidade, o outro pode suprir e o equilíbrio da vida ser mantido. A palavra cooperação é a chave para o entendimento entre as pessoas, mas pela má disposição que vem reinando entre nós, cada um se isola cada vez mais e pretende viver separado, algo que é impossível. Não há como viver separado dos demais, a vida é globalizada, um sempre depende de outro. O pãozinho que você comeu hoje no café tem muita gente envolvida nele. O agricultor que plantou o trigo, o transportador que o levou até o moinho, o moleiro que moeu, o embalador, o padeiro, o vendedor e vai somando e analisando como é impossível viver sozinho neste mundo. Por isso, a maior lição que podemos aprender é aprender a viver em sociedade. Viver bem com as pessoas é a grande arte da vida.

Os comentários estão encerrados.