Comentários da Lição 04 (3o Trim/2018) por Profª Ana Kelly Ribeiro
27/07/2018
Meditação diária de 29/07/2018 por Flávio Reti
29/07/2018

Meditação diária de 28/07/2018 por Flávio Reti

28 de julho

O Gafanhoto (Caelifera acredidae)

Provérbios 30:27   “Os gafanhotos não têm rei, contudo marcham todos em bando”

Existem cerca de 11.000 espécies de gafanhotos no mundo. Semelhantes aos grilos, eles têm pernas compridas com as quais saltar longas distâncias. Eles são polífagos, isto é, comem todo tipo de planta que encontram pela frente, mas para azar deles, eles também são comidos como petiscos em vários países, porque representam uma boa fonte de proteína. Os gafanhotos, assim como inúmeros invertebrados serviam de alimento para os ameríndios. Índios de Cartagena coletavam e secavam gafanhotos que serviam de moeda de troca no comércio com povos do interior. Os índios de Tucuman (Argentina) apreciavam estes insetos como alimento, o mesmo acontecendo com os Makuxi da região dos Rio Branco e Rio Rupununi, compreendendo Brasil e Guiana e com os Xavantes do Mato Grosso. Índios de Roraima eram outros adeptos do consumo de gafanhotos, assim como os habitantes da região do rio Uaupés, da Amazônia e os Quiapêr de Rondônia. No Japão, os gafanhotos são considerados um sinal de boa sorte quando aparecem nas casas, mas eles podem comer metade do seu peso corporal em matéria vegetal por dia e representam bilhões de prejuízo aos lavradores de todo mundo. Talvez não exista na terra uma praga tão danosa mais do que os gafanhotos da África e do Oriente. Aparentemente é um bichinho tranquilo e inofensivo, mas quando as condições são adequadas, esses insetos transmudam completamente. Raramente chove onde eles vivem, África, mas quando chove e as plantas reverdecem os campos brotam, eles surgem pondo ovos e nascendo aos milhões a mais do que o normal. Em boas condições, eles crescem para se tornar uma praga e não aquele inofensivo insetinho. É difícil imaginar o tamanho de uma nuvem de gafanhotos, mas eles voam tão juntos que ao voar podem esconder o sol e a nuvem de gafanhotos pode voar a 1.500 metros de altura. Quando decidem descer, pobre da terra plantada lá embaixo. O enxame cobre literalmente as lavouras e o chão como um tapete que vai se movendo. Imagine 1.5 km2 cobertos de gafanhotos, eles podem comer 200 a 600 toneladas de grãos por dia, o equivalente a quantidade diária para 200.000 pessoas. Depois que os gafanhotinhos se vão, o povo morre de fome e o que as pessoas esperam é que venha mais chuva para refazer a plantação, mas com isso vem outra safra de gafanhotos e o ciclo se repete. Mais de 50 países no mundo travam uma luta sem trégua contra os humildes gafanhotos, eles que “não tendo um rei, contudo, marcham todos em bando”. Satanás tem causado muita tragédia no mundo e até parece que é ele quem pega o inofensivo gafanhoto e o transforma num terrível exército de destruição, sendo ele mesmo o comandante, já que eles não possuem um rei. Isso deve ferir os sentimentos de Jesus ao ver aquilo que ele criou sendo destruído deste modo, por pragas, para prejudicar as pessoas por quem ele morreu.

Os comentários estão encerrados.