Informações para o Impacto Esperança 2018
25/05/2018
Meditação diária de 27/05/2018 por Flávio Reti
27/05/2018

Meditação diária de 26/05/2018 por Flávio Reti

O Tubarão (Carcharodon carcharias)

Mateus 6:21 “Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração”

O Tubarão é um peixe terrível e ameaçador. Sãos constantes os ataques de tubarões nas praias contra surfistas e banhistas que se aventuram um pouco mais. São peixes cujo esqueleto é cartilaginoso, isto é, não têm ossos, mas são o terror dos mares. Alguns preferem chamar o tubarão de cação e eles são muito diversificados nas suas espécies. Calcula-se 375 espécies e só no Brasil 88 são conhecidas. Variam desde o tubarão-anão de uns 20 centímetros até o tubarão-baleia que atinge 12 metros de comprimento. Eles estão em todos os mares e descem até uma profundidade de 2.000 metros. Os dentes dos tubarões são substituíveis, se ele perder um ou mais, eles se regeram nascendo outro no lugar, assim como as lagartixas que ao perder parte do rabo, elas se recuperam nascendo outro no lugar. Atualmente os tubarões vêm perdendo a batalha contra a pesca indiscriminada para consumo de sua carne bem valorizada no mercado, especialmente entre os asiáticos. Por ser um peixe agressivo, dominador, poderoso entre os demais peixes, seu nome foi tomado emprestado para significar, na língua portuguesa, pessoas ricas, poderosas e dominadoras. Chamar alguém de tubarão, em Português, é chama-lo de rico, poderoso, o que muita gente deseja ser neste mundo.

Quando Jesus vivia entre seus discípulos tentando convencê-los a respeito do reino dos céus, eles não entendiam bem o objetivo de Jesus e lutavam entre si para garantir um lugar de destaque no novo reino que, supunham eles, seria fundado por Jesus para lutar contra os romanos, seus opressores. Mas Jesus foi assertivo ao dizer: “Não será assim entre vós,antes, qualquer entre vós que quiser tornar-se grande, será esse o que vos sirva” (Mar. 10:43). Aqui está uma lição difícil de aprender. O mundo nos ensina desde pequeno a competir por posições, por valores, status e posses. Quando lemos a orientação de Jesus, ficamos um tanto assustados porque ele vai de encontro a essa nossa maneira de viver neste mundo. Ele nos remete para as riquezas celestiais em contraste com as riquezas da terra que passam inexoravelmente e nada perdura para a vida eterna. Se conseguirmos apanhar essa lição de desapego de coisas e posição, já estamos no caminho apontado por Jesus, basta apenas continuar nele. Deixe a ideia de grandeza e poder para os tubarões do mar e da terra
e nós seremos servos no reino de Deus.

Os comentários estão encerrados.