Meditação diária de 25/03/2018 por Flávio Reti
25/03/2018
Semana de Oração: Em Busca de Sentido – 13 a 21/04/18
26/03/2018

Meditação diária de 26/03/2018 por Flávio Reti

26 de Março
A Lebre (Lepus caprolagus )

Tiago 5:12   “… Seja, porém, o vosso sim, sim e o vosso não, não, para não cairdes em tentação”

As pessoas normalmente confundem a lebre com os coelhos, mas as lebres são mais orelhudas e têm na ponta da orelha uma parte preta. Além disso, os coelhos preferem viver e se reproduzir em tocas escavadas por eles, enquanto as lebres vivem na superfície e dão suas crias sobre o solo. Os filhotes de lebres já nascem de olhos abertos e com a pelagem formada, enquanto os coelhos nascem pelados e de olhos fechados e só abrem depois de três semanas. Ambos são apreciados como iguarias nas mesas dos restaurantes chiques. Existem umas trinta espécies de lebres que pertencem à mesma família dos coelhos, podemos dizer que são primos. As lebres costumam mudar a cor da pelagem durante o inverno, elas ficam brancas e, passado o inverno, elas voltam a ser o que sempre foram. Ah! Estava me esquecendo: As lebres e os coelhos são essencialmente vegetarianos e com isso podem causar prejuízos nas lavouras, especialmente de hortaliças. Cenouras são o seu ponto fraco. Elas se reproduzem muito e chegam a ter várias ninhadas durante o ano, duas ou três, e a cada ninhada nascem de um a sete filhotes.

Na natureza, as lebres são presas fáceis das aves de rapina e dos mamíferos carnívoros e por isso mesmo elas vivem sempre sobressaltadas, prontas para fugi, de orelha em pé.

A lição das lebres, eu destacaria a sua capacidade de mudar de cor no inverno. Até parece com algumas pessoas que mudam de comportamento, mudam a palavra, dissimulam quando sobrevém alguma dificuldade na vida. Os cristãos são incentivados a ter uma só palavra, uma só fé e um só comportamento, o comportamento cristão. Não fica bem para um crente dissimular, mudar o comportamento para resolver seus propósitos, seus interesses particulares. Deus se agrada de pessoas honestas, na linguagem de Ellen White, “A maior necessidade do mundo é a de homens – homens que se não comprem nem se vendam; homens que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; homens, cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao polo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus” Educação, págs. 56 e 57.  Um comportamento de lebre não fica bem para nós, cristãos.

Os comentários estão encerrados.