Feliz Semana – 24/03/18
24/03/2018
Meditação diária de 26/03/2018 por Flávio Reti
26/03/2018

Meditação diária de 25/03/2018 por Flávio Reti

25 de Março
Leão Marinho (Otaria flavescens)

Romanos 12:14   “Abençoai aos que vos perseguem, abençoais e não amaldiçoeis”

Um leigo não saberia diferenciar muito facilmente o leão marinho das focas, e das morsas. Os três são mamíferos adaptados a viver na água do mar. São três animais parecidos mas com alguma diferença marcante. As morsas não existem no Brasil e se reconhecem pelos dois dentões que têm pra fora da boca e projetados para baixo e não têm orelhas. Já os leões-marinhos não têm os dentões salientes, mas têm orelhas e as focas não têm orelhas e nem dentões salientes. Fácil. E todos eles são excelentes nadadores. Os leões-marinhos preferem as ilhotas rochosas para descansar e para se acasalar. No mar, eles são grandemente perseguidos pelas baleias. Há histórias de leões, focas que se atiram para dentro dos barcos dos pescadores e de turistas quando são perseguidas por baleias assassinas. O nome leão dá a ideia de grande, e não é pra menos, pois o leão marinho chega a pesar uma tonelada e a medir 3.5 metros, agressivo e perigoso para os humanos. Eles preferem habitar as regiões costeiras e raramente se aventuram em águas profundas. Eu destacaria, a favor deles, a má sorte de serem sempre perseguidos e serem presas fáceis das baleias que são mais ágeis do que eles no mar. Pense agora nos cristãos espalhados pelo mundo. Quantos não são perseguidos por causa de sua fé? Há países em que a simples aceitação do cristianismo já é motivo para pena de morte, especialmente nos países islâmicos radicais. Um cristão que se aventure a viver nesses países precisa viver camuflado, não se expressar abertamente e não se expor, muito menos fazer proselitismo. Em 2016 a Igreja Adventista enviou 25 casais de missionários para as regiões onde o cristianismo ainda não penetrou, mas no dia da partida desses missionários até as fotografias de frente foram proibidas. Eles deram entrevistas de costas e em momento algum revelaram o país para onde estavam indo, tal era a preocupação de se proteger do radicalismo religioso. Acertadamente disse Jesus: “Sede simples como as pombas, mas prudentes como a serpente”. Mas não haverá como evitar, porque nos fins dos tempos as fogueiras da perseguição serão reacesas e a igreja de Deus será novamente perseguida. O futuro dos cristãos nesta terra não é nada promissor, por isso mesmo nossa esperança no lar eterno aumenta a cada dia mais que vivemos neste mundo.

Os comentários estão encerrados.