21 milhões de Adventistas no mundo
23/10/2018
Pesquisa da DSA via smartphone 27/10/18
24/10/2018

Meditação diária de 24/10/2018 por Flávio Reti

24 de outubro

Petauro do Açúcar (Petaurus breviceps)

Lucas 2: 47   “E todos que o ouviam se admiravam da sua inteligência e das suas respostas”

Petauros são bichinhos fofos e que têm os olhos estatelados, esbugalhados e conhecidos como Petauro-do-açúcar. No país da Indonésia, na cidade de Djakarta, todos os domingos os criadores de petauros, formando uma grande comunidade, se reúnem com seus animais para exibição, discussão e demonstração das suas habilidades. Eles possuem uma membrana ligando suas patas dianteiras às traseiras e isso lhes permite planar ao pular de um local para outro. Seus olhos muito grandes e esbugalhados se ficarem muito tempo expostos ao sol podem cegar e por isso mesmo eles são mais ativos à noite. Mas nada impede que eles sejam criados como animal de estimação, pets como são chamados. São pequenos e dóceis, sociáveis e exóticos, e podem cabem alguns deles na palma da mão. Petauro do açúcar porque eles gostam de coisas doce, como a seiva das plantas e gostam de planar no ar. Ele pertence à família dos marsupiais, aqueles que tem uma bolsa na barriga para acolher os filhotes, assim como os gambás, os cangurus e são também originários da Austrália, onde são conhecidos como “sugar glider”. Para fazer seus ninhos, eles preferem as alturas dos eucaliptos. Os australianos têm até uma expressão para denominar o dia em que os petaurinhos saem definitivamente do marsúpio da mãe, OOP! Isso é a forma abreviada de “out of pounch” significando “fora da bolsa” em inglês. Logo após o parto de suas mães, eles tem o tamanho pouco maior do que um grão de arroz, quase invisíveis, mas logo após nascerem eles dão um jeitinho e se encaminham para dentro da marsúpia e lá ficam durante 70 dias. A mamãe petauro tem quatro mamas dentro da marsúpia e os filhotes mamam o tempo todo, direto sem se desgrudarem. Depois de tudo isso, nascer, ficar dentro da bolsa 70 dias, eles saem, mas durante 8 semanas eles ainda não podem se afastar da mamãe petauro porque dependem dela para mamar ainda e para o aprendizado da vida de petauro e só depois de 2 meses entrando e saindo, aprendendo com a mãe, é que eles saem definitivamente e vão viver sua vida.

Isso me faz lembrar da infância de Jesus que a bíblia afirma que até os doze anos ele era submisso à sua mãe. Ao doze anos foi que ele se afastou dos olhos da sua mãe pela primeira vez, mas voltou a conviver com eles e era submisso à autoridade paterna (Luc.2:41-51). Foi essa convivência com a agraciada Maria, sua mãe, que lhe deu muitas lições de vida logo no início de sua adolescência. Assim como na vida do petauro que não se separa da mamãe facilmente. Quem dera nós tivéssemos essa ligação forte com nossas mães e lhes fôssemos sujeitos!

Os comentários estão encerrados.