Meditação diária de 23/04/2018 por Flávio Reti
23/04/2018
33º Encontro de Ex-Alunos UNASP Hortolândia – 01 a 03/06/18
24/04/2018

Meditação diária de 24/04/2018 por Flávio Reti

24 de abril

O pavão (Pavo cristatus)

Filipenses 3:15   “Pelo que todos que somos perfeitos tenhamos este sentimento: E , se sentis alguma coisa de modo diverso, Deus também vô-lo revelará”

Popularmente, as pessoas chamam de pavão as demais pessoas que gostam de se exibir e chamar atenção para si. E assim é o pavão, quando ele resolve se exibir, ele abre a cauda, formando uma roda colorida de até 2 metros, baixa as asas cobrindo até o pé e fica durante minutos sem fim nessa posição de exibicionismo. A postura dele impressiona! Eles são muito procurados para comprar vivos para ornamentar chácaras, parques e jardins públicos e quando troca de penas elas são catadas uma a uma para fazer decoração de ambientes. Na época do carnaval, no Brasil, as penas do pavão valem ouro para ornamentar as fantasias caríssimas dos foliões. A carne de pavão só é vendida em restaurantes de comidas exóticas, mas não é difícil de achar. É uma ave dócil, alimenta-se como uma galinha comum, adapta-se bem em cativeiro e é fácil de se lidar com ele. Vive em média 16 anos e dificilmente adoece. Tem uma maniazinha com ele: Ele gosta de dormir em locais altos para evitar predador pelo chão. O pavão já foi considerado um animal sagrado nos países orientais. Inclusive Salomão, diz a bíblia que ele tinha uma frota de navios que iam a Tarsis e de lá importava ouro, prata, marfim, macacos e pavões (II Cron.9:21). O que ele fazia com tantos macacos e com tantos pavões, a bíblia não nos informa.

Ninguém comentou, mas o pavão, a despeito de toda sua beleza, tem as pernas corrugadas e cascudas e ninguém observa isso, só olham sua bela plumagem quando ele resolve se ostentar. Isso me faz lembrar que algum defeito todo mundo tem. Nós não podemos achar que somos perfeitos, só temos beleza e as pessoas que nos observam só veem coisas boas em nós. Nem sempre é verdade, porque cada um tem seu próprio pé cascudo como os pavões. Eu tinha um amigo, o professor Valdir Negreli, que costumava dizer que todos nós somos pavões. Alguma coisa que destoa todos nós temos. Todos temos o pé cascudo em algum aspecto. Logo, precisamos tomar consciência de que não somos perfeitos e pedir ao Senhor que complete o incompleto que existe em nós. O pavão, quando se exibe, baixa as asas e cobre os pés. E você faz o quê, quando se sente como um pavão e quer encobrir algum defeito seu?

Os comentários estão encerrados.