Comentários da Lição 12 (3o Trim/2018) por Profª Ana Kelly Ribeiro
21/09/2018
Meditação diária de 23/09/2018 por Flávio Reti
23/09/2018

Meditação diária de 22/09/2018 por Flávio Reti

22 de setembro

O Abutre (Aegypius Monachus)

Tiago 3:16   “Porque onde há ciúmes e sentimento faccioso (inveja), aí há confusão e toda obra má”

Abutre é uma palavra comum que os leigos usam para se referir às aves necrófagas, isto é, aquelas que vivem de comer carne de animais mortos e pútridos. Pode ser que você já viu pairando no ar algum urubu e se referiu a ele chamando-o de abutre. Está errado, o urubu é apenas um carniceiro, mais não pertence à família dos abutres. A palavra urubu tem sua origem na língua indígena e significa ave preta. Os condores são da mesma família dos urubus, apenas um tanto maior. Os abutres, por sua vez, pertencem à família das águias e dos gaviões e são encontrados no velho mundo, Europa e Ásia. Os abutres são maiores, têm o bico mais forte, buscam seu alimento se valendo de sua visão aguçada, têm o pescoço longo, bem mais do que nosso urubu, têm a cabeça pelada e não são pretos. Entenda uma coisa: urubus se encontram nas Américas, enquanto abutre só na Europa, Ásia e África, mas ambos desempenham um papel de excelente ofício ecológico por se alimentarem de animais mortos e com isso saneando o ambiente, eliminando a possibilidade de proliferar bactérias nocivas, vírus e outros patógenos para o homem. No livro Cazuza, o autor Viriato Correa narra a história do urubu e do beija-flor. Este, embora vivesse entre as flores, admirava e até invejava a vida do urubu, pairando nas alturas e o elogiava tanto que um dia o urubu mandou dizer que iria visitá-lo e jantar com ele. Desesperado em preparar o jantar, o beija-flor pediu socorro às abelhas e coletou durante semanas o mel e o néctar das flores mais puras para receber o inusitado hóspede. Na véspera da recepção, um burro velho caiu morto nas imediações e no dia seguinte ninguém podia mais passar em frente à casa do beija-flor. O beija-flor se viu em desespero. Como iria receber um hóspede tão superior a ele? Seus amigos eram animais pequenos e não podiam arrastar o burro morto. No dia seguinte, quando o urubu chegou, o beija-flor estava morrendo de vergonha. O urubu preferiu ficar no jardim, para assombro do beija-flor, do lado que vinha o vento trazendo o cheiro de podridão. Insistiu para que o urubu entrasse e ficasse na sala, mas o urubu teimava em ficar lá fora. O beija-flor pôs a mesa e voltou para buscar uma bela rosa para surpreender o urubu. Quando voltou, para sua surpresa, o urubu não estava mais, e lá à distância, para surpresa sua, o beija-flor o viu em cima do burro morto dando bicadas vigorosas e se deliciando. O beija-flor tremeu diante do que via. Quem lá estava era ele mesmo, o urubu, a quem ele tanto invejava, que vivia nas alturas, perto do céu, perto dos deuses, acima das nuvens. Conclusão de Viriato Correa: “Um rei, às vezes, tem mais baixos sentimentos do que seu lacaio”. Lição: Nunca ter inveja de quem achamos ser superior a nós, podemos errar.

Os comentários estão encerrados.