Meditação diária de 20/11/2018 por Flávio Reti
20/11/2018
Meditação diária de 22/11/2018 por Flávio Reti
22/11/2018

Meditação diária de 21/11/2018 por Flávio Reti

21 de novembro

O Guaru (Phalloceros caudimaculatus)

Josué 1:6   “Esforça-te e tem bom ânimo, porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria”

Guaru não é filhote de peixe, filhote de peixe recebe o nome de alevino, mas é um peixe adulto embora pequeno, não passando de um ou dois centímetros. Ele é muito comum nos riachos e lagos de todo o Brasil, por isso é considerado um peixe selvagem. Quase transparente, é possível ver todo seu intestino e órgãos internos a olho nu. No meu tempo de colégio eu tinha um colega de internato que era bem baixinho e meio gordinho. Não demorou e seu apelido já estava decidido: guaru, e assim é até hoje. Sempre que encontro algum colega e se faz referência a ele, ninguém pergunta pelo nome (Raimundo), mas pelo guaru. O famoso peixinho, guaru, espalhado por todo o Brasil, é um eficiente comedor de larvas de insetos, especialmente dos mosquitos que põem os ovos na água e nisso destacamos o controle do mosquito da dengue distribuindo guarus onde for possível. Nos laguinhos de jardins domésticos é comum desenvolver larvas do aedis aegypti e nesse caso, encher o lago com guarus seria uma ótima solução sem o uso de venenos, ou químicos para evitar o mosquito. São peixinhos pacíficos, vivem misturados com seus alevinos e se acertam muito bem. São peixes férteis, reproduzem com uma frequência muito grande, e em pouco tempo superpovoam o ambiente, seja um lago, um riacho ou um aquário. Há robistas de aquários que preferem criar o guaru por ser um peixe muito resistente, suportando Ph da água muito elevado e comendo até ração para cães. Na literatura, em geral, ele recebe o nome de “lebiste”, enquanto guaru é o nome popular com que é conhecido da população em geral. Estima-se que exista no mundo mais de 24 mil espécies de peixes, sendo 350 espécies apenas na região da mata Amazônica, 50 na região dos pampas, 325 na região do Pantanal, 240 na região da caatinga e em outras regiões menos, mas levando em conta tantas espécies existentes, que é o simples guaru para merecer atenção? O peixe mais valorizado no mundo ainda é o atum azul que chega a medir 5 metros e a pesar 700 quilos, nem é o tão comentado tubarão. Mas o guaruzinho está presente, não passa despercebido e é motivo de estudo pela sua persistência em sobreviver. Que bom seria se nós, seres humanos, tivéssemos essa persistência, essa vontade de viver, porque só assim faríamos todos os esforços para um dia estar no céu com Jesus. Com certeza nós não fazemos o devido esforço diante de tanto que o céu significa, diante de tão grande recompensa aos que forem salvos. Acho que deveríamos nos preocupar mais com o céu e fazer um esforço ainda maior para estar lá.

Os comentários estão encerrados.