Meditação diária de 20/05/2018 por Flávio Reti
20/05/2018
Meditação diária de 22/05/2018 por Flávio Reti
22/05/2018

Meditação diária de 21/05/2018 por Flávio Reti

21 de maio

O Tatu ( Dasypus novemcinctus)

Hebreus 11:37 “Foram apedrejados e tentados, foram serrados ao meio, morreram ao fio da espada, andaram vestidos em pele de ovelhas e de cabras, necessitados, aflitos e maltratados”

Nosso convidado de hoje é o tatu. É mais um animal mamífero que quase igual a tartaruga possui uma carapaça para cobrir e proteger seu corpo, com uma grande diferença: A carapaça da tartaruga é uma só placa dura enquanto a do tatu é formada de partes móveis para facilitar seus movimentos. Ele consegue se enrolar como uma bola, daí alguns tatus serem chamados de tatu-bola. Ele é nativo do continente Americano, não existe na Ásia e na África. Eles vivem em qualquer tipo de mata, serrado, caatinga, savana. Come de tudo praticamente, desde insetos, formigas, cupins, besouros, larvas. Comem raízes, frutas. Há várias espécies de tatu: tatu-bola, já citado, tatupeba, tatu-galinha, tatu-canastra, este último, dizem as más línguas, que ele come defunto, que ele cava buraco por baixo do muro do cemitério para comer os defuntos enterrados lá. Eles não são pequenos, chegam a 60 centímetros de comprimento e pesam até 10 quilos. Eles são hábeis para cavar buracos e usar como moradia porque eles tem hábitos noturnos, dormem de dia e saem para procurar alimento à noite. Os moradores dos sítios e fazendas costumam comer a carne do tatu. Aliás, eles os matam porque os tatus destroem suas plantações. Imaginem uma plantação de mandioca, de batatas, quando os tatus vêm e cavam para comer as raízes.
Coitados dos tatus, não podem sequer procurar comida nas roças que são perseguidos e mortos pelos camponeses. Eles são perseguidos furiosamente.
Isso me faz lembrar de nossos pioneiros, logo após a reforma protestante na Europa. Quando eles se opuseram contra os dogmas da Igreja dominante, contra a venda de indulgências para perdão dos pecados, eles foram caçados ferozmente pelos signatários da igreja e levados à fogueira, à forca, ao empalamento ou apedrejados publicamente. Caçar um tatu, por ser um animal inexpressivo, não leva a maiores consequências, mas caçar as pessoas, simplesmente porque não aceitavam a imposição da fé dominante e matá-las rancorosamente é bem outra coisa. A história do evangelho tem essa mancha negra da perseguição sofrida pela intolerância religiosa que às vezes ainda vemos em alguns países, especialmente em países muçulmanos e comunistas. Mas Deus sabe, Deus ouve, Deus vê. Um dia veremos os resultados do empenho feito pelos mártires a favor do evangelho que chegou até nós manchado com o sangue dos mártires.

Os comentários estão encerrados.