Meditação diária de 19/11/2018 por Flávio Reti
19/11/2018
Meditação diária de 21/11/2018 por Flávio Reti
21/11/2018

Meditação diária de 20/11/2018 por Flávio Reti

20 de novembro

O Preá (Cavia aperea)

Provérbios 24:19   “Não te aflijas por causa dos malfeitores, nem tenhas inveja (ciúme) dos ímpios”

O que o brasileiro conhece como preá é o mesmo porquinho-da-índia com a seguinte observação: O preá é um roedor rústico, criado por si na natureza, geralmente de cor parda, enquanto o porquinho-da-índia, cuja origem é peruana, é malhado, criado em cativeiro para consumo ou usado como cobaia para experiências em laboratórios.  O Preá é um roedor pequeno, mede ao redor de 25 centímetros, pesa perto de 400 gramas, resistente e consegue viver em condições adversas. É encontrado em todo território nacional praticamente e só se alimenta de verduras, tubérculos e capim. Raramente as pessoas percebem sua presença porque ele é muito arisco e arredio. No nordeste do Brasil ele é altamente consumido pelos habitantes durante as secas da região e porque sua carne é muito nutritiva, de fácil digestão e saborosa. Até nos mercadinhos populares ela é encontrada já salgada ou seca. Embora seja um animalzinho selvagem, ele é acometido de sarna, piolhos e vermes. Um preá sarnento perde os pelos e se coça muito ficando fácil perceber. A sarna dos preás é contagiosa e se for encontrada num rebanho em cativeiro em pouco tempo pesteia o grupo todo. Quem cria preá deve ficar atento para essas doenças, especialmente a verminose. O preá teme grandemente as cobras, os cães, gatos selvagens, aves de rapina que são seus predadores naturais. Por isso mesmo, seus hábitos são basicamente noturnos. Ele só deixa a toca à noite e sempre em bando e só caminha nas trilhas já traçadas por eles e conhecidas deles. Devemos destacar que os preás não comem alface, não sei porque, mas alface causa problemas intestinais neles. Outra curiosidade é que ele é um animal muito ciumento. Quando a fêmea dá à luz, ela e os filhotes devem ser separados do macho ou ele mata todos eles.

Se existe ciúme até nos preás, imagine como não foi o ciúme sentido por satanás quando se rebelou no céu contra Deus, desejando ser igual, desejando ser adorado, desejando o poder que não tinha e gerando descontentamento em toda a ordem angélica. Felizmente as decisões tomadas pelo Senhor com respeito a satanás foram mais do que eficientes, porque o colocou para fora do céu cessando seus privilégios como querubim dirigente dos coros celestiais. Embora ele tenha crescido ainda mais em seu ciúme, hoje ele é um inimigo vencido e com a sentença já julgada e só esperando o momento da execução. Graças a Deus, temos um Senhor do céu e da terra que cuida de seus filhos e os protege do vil satanás. Se hoje até um preá tem ciúmes, esse ciúme foi implantado em todas as criaturas, inclusive no homem, a partir da rebelião de satanás no céu, o originador do mal.

Os comentários estão encerrados.