Despedida dos pastores Jairo e Elber
17/12/2018
Formatura dá início uma nova história
18/12/2018

Meditação diária de 18/12/2018 por Flávio Reti

18 de dezembro

Aranha cruzeira (Parawixia bistriata)

Jó 8:14   “A sua segurança se desfará e a sua confiança será como a teia de aranha”

A aranha cruzeira é assim chamada porque no seu dorso aparece algo com o formato de cruz, como enfeite e decoração. É uma espécie de aranha que tece sua teia em círculo dando a aparência de uma obra de arte muito linda. O que parece ser um punhado de fios organizados e belamente arranjados cuidadosamente dispostos formando a rede de caça é na verdade algo muito mais significativo. Cada fio que sai de seu abdome não é exatamente um fio, mas um punhado de fios, centenas deles, formando o fio propriamente de seda da aranha. Cada um desses micro fios tem 2 milésimos de um milímetro de diâmetro. O fio mais fino que o homem já conseguiu produzir chega a 12 centésimos de milímetro de diâmetro e é feito como fibra de vidro. O órgão fiandeiro da cruzeira se parece muito com um tear moderno de onde saem centenas de fios individuais para formar um fio mais calibrado. Logo que o fio sai do “tear aracnídeo” e o tecido fica pronto, sua teia, a feliz e bela aranha cruzeira fica à espera do primeiro inseto atrevido que se aventure pisar na sua obra de arte. Até um companheiro dela mesma deve se cuidar para não se enredar e servir de jantar para ela. Ela, embora seja uma artista nata, é como muitas pessoas que proclamam a cruz, mas não deixam a cruz fazer qualquer efeito sobre suas vidas. Agem como a aranha criando armadilha, dissimulando e até matando seu próprio companheiro, mas quando vão para a igreja vão cantando e falando da cruz. Muita gente inteligente, talentosa, admiráveis no meio da população em geral, vivem sob a égide da cruz, mas isso não as torna cristãs. Como pode acontecer isso? O cristão estará sempre e continuamente vivendo para se tornar semelhante a Jesus e não apenas para mostrar o sinal da cruz, no chaveiro, no colar, no calendário, na torre das igrejas, ou onde quer que seja.

Pela descrição, deu para notar que a aranha cruzeira é acima de tudo uma aranha traiçoeira, como a maioria das aranhas são, mas esta pode enredar e comer seu próprio companheiro se ele se atrever a pisar na sua teia e se enredar nela. Um cristão não pode ter esse comportamento de aranha cruzeira, preparar uma rede bela e atraente e depois fazer dela uma instrumento de morte, ou, em palavras humanas, preparar uma vida bela e atraente e servir de morte para os demais. A cruz, o cristianismo é belo demais para ser mal interpretado e nunca vai servir de embaraço para ninguém. Precisamos evitar esse comportamento de aranha cruzeira.

Os comentários estão encerrados.