Meditação diária de 16/05/2018 por Flávio Reti
16/05/2018
Meditação diária de 18/05/2018 por Flávio Reti
18/05/2018

Meditação diária de 17/05/2018 por Flávio Reti

 

17 de maio

A serpente (Ophiophagus hannah)

Gênesis 3:4   “Disse a serpente à mulher: Certamente não morrereis”

A serpente é mais um réptil que está associado ao mal, à morte, às trevas. Um dos capítulos mais conhecidos na história humana é o episódio em que Eva, enganada por satanás, naquele momento travestido de serpente e a partir daquele momento a serpente, dentro do cristianismo, passa a significar um animal traidor, calculista, amaldiçoada. Ela é considerada um animal misterioso, traiçoeiro, venenoso, mas é um símbolo rico de significados em várias culturas. Na mitologia romana a serpente surge como símbolo de cura, de medicina e por isso aparece no emblema da medicina como uma serpente enrolado em uma taça. Para os povos astecas, no México, a serpente emplumada era o deus mais importante que havia. Existe em Miami, nos Estados Unidos, um serpentário (como também existe no Brasil o Instituto Butantã em escala menor) que manuseia centenas de cobras mortíferas para a extração do veneno, que é um material tão valioso como o ouro puro. Cada grama vale milhares de reais e um indivíduo tem o trabalho de extrair esse veneno. A maneira de extrair é manual, isso quer dizer que o camarada precisa segurar as serpentes e “ordenhar” o veneno de suas presas gota a gota num frasco de vidro. O tal ordenhador iniciou sua especialidade contrabandeando serpentes para Miami enquanto estava na Força Aérea. Atualmente o serpentário é o maior produtor de veneno de cobras em todo o mundo. Além de ser usado na produção do antídoto contra as mordidas de cobras, o veneno também é usado para combater inúmeras outras doenças raras. O próprio ordenhador já foi mordido mais de cem vezes e por duas vezes quase morreu. Ele mesmo injeta pequenas doses de veneno na sua própria veia há muito tempo e seu sangue já se transformou num ótimo soro antiofídico. Conta-se, não se confirma, que mais de vinte pessoas já foram salvas usando o seu sangue e alguns falam dele como o homem do sangue de ouro. A pessoa que usar o antídoto, feito do próprio veneno da serpente, “certamente não morrerá”.

Essa foi a primeira mentira proferida aos ouvidos de Eva lá no Jardim do Éden. Satanás, falando através da serpente, usando-a como um médium, proferiu essa maior mentira contrariando a clara afirmação do Senhor ao dizer “no dia em que dela comeres certamente morrerás”. Naquele dia Adão e Eva se separaram de Deus e começaram a morrer. E assim continua até hoje, todos que se separam de Deus, da fonte da vida, só têm uma alternativa: morrer.

Os comentários estão encerrados.