Sorteio de livros no ContraPonto 2018-11
15/11/2018
Comentários da Lição 7 (4o Trim/2018) por Classe dos Pais
16/11/2018

Meditação diária de 16/11/2018 por Flávio Reti

16 de novembro

O Curiango ( Nyctidromus albicollis)

Lucas 24:25   “Então, ele (Jesus) lhes disse: Ó néscios e tardos de coração para crerdes tudo que os profetas disseram”

O curiango, também chamado de bacurau, é um pássaro de porte médio de uns 25 centímetros, mas com grandes asas que ele usa para voar à noite e capturar insetos noturnos como besouros, mariposas, vespas e até formigas. Isso ele faz a partir do solo com voos curtos e velozes. Um pássaro de hábitos noturnos e bastante preguiçoso ná hora de construir o ninho. Seu ninho não passa de uma depressão no chão, sem qualquer conforto para os filhotes, e ali deposita um ovo apenas, raramente dois. Desde filhotes, os curiangos possuem uma camuflagem quase perfeita, porque sua cor é quase a cor das folhas caídas no meio do mato e ao sentir algum perigo, eles ficam imóveis no meio das folhas que fica muito difícil visualizá-los. Seu hábito é viver no chão e só pode ser visto de dia se for enxotado e mesmo assim, ele voa curtas distâncias e pousa e se esconde de novo no meio das folhas, é o tipo do pássaro preguiçoso. As pessoas associam o seu canto com a expressão “amanhã eu vou”, o que lhe garante mais ainda o título de preguiçoso. Há uma série de crendices associadas ao curiango, mas só coisas más ou bobagens folclóricas. O popular caboclo conta a história do curiango que queria participar de uma festa no céu, mas como não era muito bem apresentável, ele emprestou penas de vários outros pássaros prometendo devolver assim que voltasse da festa. No dia seguinte ao da festa, ele não devolveu e pela sua falta de honradez recebeu um castigo do céu se tornando uma ave noturna que vive dando seus gritos “amanhã eu vou” referindo-se à devolução das penas emprestadas, mas ele nunca vai devolver. Ele também se tornou mensageiro de mau agouro, dizem que quando ele canta três vezes é porque tem assombração por perto, dizem que é o diabo que assume a forma de curiango para perturbar os cavaleiros que passam pelas estradas à noite, dizem que bater no curiango ou matar um curiango traz um enorme azar porque a pessoa fica perturbada e não acerta mais o caminho de casa.

Quanta asneira! Mas cabe aqui um pergunta intrigante. Por que as pessoas têm tanta facilidade em acreditar em crendices populares, em coisas que não passam de folclore, criam tantas mentiras para acreditar e se negam a acreditar realmente em Deus, em reconhecer a Deus como Senhor soberano, que tudo pode, que ensina seus filhos pela bíblia? Será que lhes falta cultura ou lhes falta capacidade de raciocínio? Parece incrível, mas uma grande parcela da população é propensa a acreditar em baboseiras que não ajudam em nada nas nossas necessidades de segurança nesta vida e certeza para o futuro. É mais um caso a pensar.

Os comentários estão encerrados.