Dia do Professor 15/10/18
15/10/2018
Meditação diária de 17/10/2018 por Flávio Reti
17/10/2018

Meditação diária de 16/10/2018 por Flávio Reti

16 de outubro

O Tubarão Duende (Mitsukurina owstoni)

Isaías 4:2   “Naquele dia, o renovo do Senhor será cheio de beleza e de glória…”

A palavra duende tem sua origem no espanhol e significa “espírito que sai à noite fazendo travessuras”. No folclore japonês ele é conhecido por “tengu zame, que é um gnomo místico com um narigão protuberante. Pelo fato do tubarão ter uma aparência desajeitada e ter hábitos estranhos, ele foi taxado de tubarão-duende. De fato ele é assustador e só vive em águas abaixo de 200 metros de profundidade, chegando a 1200 metros, onde já foi encontrado. E olha que ele não é pequeno, pode medir até 6 metros de comprimento e pode pesar até 250 quilos e é considerado um dos mais antigos monstros do mar e o que mais assusta nele é a mordida, porque ele projeta a mandíbula pra frente quando ataca outro peixe e nesse momento sua boca passa a parecer-se com um alienígena, coisa feia mesmo, porque sua mandíbula é retrátil, aliás é um de seus traços destacados. Ah, ele é um dos únicos de coloração rosa, uma vez que não toma sol, sua pele é quase transparente e deixa aparecer os vasos sanguíneos que dão essa cor rosada. Em 2010 um deles foi encontrado morto a 400 metros da costa do Rio Grande do Sul e depois de arrastado pelas redes dos pescadores, ele foi levado para o Museu Oceanográfico da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Curiosidade das curiosidades, o fígado do tubarão pode pesar 25% de seu peso total. Esse tipo de tubarão, devido à ausência de luz onde vive, ele sente a proximidade de sua presa através de seus órgãos eletrossensíveis na parte da frente do rosto e no focinho pontudo. Os estudiosos o consideram um fóssil vivo por se assemelhar aos tubarões pre históricos. Ele é realmente feio, raro e fascinante. Esse tal tubarão duende ainda é um mistério para a ciência porque muita coisa dele ainda é desconhecida.

Quando você se põe a observar o povo nas ruas, não vem à sua mente aquela exclamação: Que povo feio!? Pois assim é, porque estamos há 6.000 anos depois que Deus criou o primeiro homem que era belo e atraente, perfeito nos seus traços e altivo no olhar, inteligente e realizador. Mas, hoje, o que se vê é uma multidão de pessoas feias, quando não são aleijadas, tortas, arcadas, desajeitadas que mal conseguem andar. O pecado arruinou a raça humana a tal ponto que hoje estamos longe do protótipo criado por Deus lá no Éden. Faz sentido Jesus voltar para restaurar a humanidade caída e “levá-la de volta à perfeição em que fora criada”.

Os comentários estão encerrados.