Inauguração IASD Comunidade Africana – 16/03/18
15/03/2018
Culto Divino com Pr. Georges Homsi Mora – 17/03/18
16/03/2018

Meditação diária de 16/03/2018 por Flávio Reti

16 de Março
Nosso jacaré (Caiman yacare)

II Pedro 5:8   “Sede sóbrios, vigiai. O vosso adversário, o diabo, anda em derredor, rugindo como um leão e procurando a quem possa tragar”

Jacaré, aqui no Brasil, é um nome comum que damos a um animal da família dos crocodilos, também conhecidos como aligatores. Ele se parece muito com o crocodilo, mas se distingue pela cabeça mais curta e mais larga e também porque possui membranas entre os dedos nas patas traseiras. O quarto dente canino da mandíbula inferior, quando o jacaré fecha a boca, ele se encaixa num buraco que existe na mandíbula superior, mas nos crocodilos mesmos esse dente fica do lado de fora da boca. Às vezes, os jacarés são chamados de caimão. O nome, jacaré, se origina da língua Tupi-guarani falada pelos índios brasileiros, enquanto o termo aligátor se origina do Inglês que talvez tenha vindo do Espanhol “el lagarto” que na grafia antiga os espanhóis escreviam alagarta ou alagarto. Os índios nativos do Novo Mundo, hoje Estados Unidos, gostavam da carne de jacaré e usavam seu couro, em forma de carapaça, para fazer gamelas. Aqui no Amazonas e no Pará os nossos índios apreciavam os ovos do jacaré e usavam os ossos dele para fazer ponta de lanças e zagaias. Os índios também matavam os jacarés de raiva, porque eles eram os maiores devoradores dos peixes presos nas armadilhas montadas pelos índios. Os índios da Amazônia, ao encontrar um jacaré meio sonolento, meio enterrado na lama, eles pisavam na cabeça dele e metendo a mão, sem medo, por baixo agarravam-lhe as patas e o viravam de barriga para cima, dominando-o e amarrando suas patas, Os índios também caçavam jacarés com uma estaca. Eles se aproximavam de frente dos jacarés que estavam tomando sol e quando os jacarés abriam a boca para atacar, eles enfiavam a mão com a estaca dentro da boca do jacaré e este ao fechar a boca com toda a força ficava com a estaca espetada nas duas mandíbulas e assim eram capturados.

Como você pôde perceber, os índios tinham várias maneiras de capturar um jacaré. Não se parece com satanás, na tentativa de vencer o ser humano e fazer dele sua presa? Pois assim é, o diabo tem um prato para cada paladar e sabe como vencer os seres humanos de várias maneiras. Não podemos dormir, porque o diabo anda vigilante, enquanto nós estamos despreocupados nesta vida. Ele é um hábil caçador de almas e as leva à perdição. Cumpre-nos estar sempre atentos e de guarda ou seremos vencidos.

Os comentários estão encerrados.