Meditação diária de 15/02/2018 por Flávio Reti
15/02/2018
Inscrições abertas para o Clube de Desbravadores Luzeiros da Colina 2018
16/02/2018

Meditação diária de 16/02/2018 por Flávio Reti

16 DE FEVEREIRO

Enguia (Anguilla anguilla)

Apocalipse 3:15 “Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; tomara foras frio ou quente”

 

Também conhecida como Poraquê, a enguia é um peixe com cabeça de peixe, mas com corpo de cobra. Fala-se muito em proteção do reino animal, especialmente os animais indefesos e que estes devem ser cuidados e amados. Pode ser verdade, mas definitivamente isso não se aplica para alguns animais. A natureza é pródiga em nos dar os animais, cada um com suas peculiaridades que podem trazer benefício às pessoas ou um tremendo malefício. As formigas eram usadas, na antiguidade, para fechar ferimentos usando as mandíbulas delas. Já os cangurus são animais muito agressivos, muito mais do que sua aparência demonstra. Eles podem cortar os adversários com suas garras e também pode rasgar o ser humano quando fica nervoso, além de dar chutes muito fortes. Todos os animais possuem algum mecanismo de defesa, até mesmo aqueles que nós julgamos dóceis e carinhosos como um passarinho. Aproveitando a curiosidade dos animais, vamos explorar um pouco a enguia. Ela tem a aparência de um peixe visto de frente, mas de uma cobra vista de lado. Ela é muito perigosa, porque faz parte dos chamados peixes elétricos, ela é da mesma família e a gente nunca sabe se é ou se não é das que dão choque e a intensidade dos choques pode ser tão elevada que pode matar até mesmo um cavalo. Aquela espécie que os manauaras (manauaras são os habitantes de Manaus) chamam de Poraquê é a que tem a maior potência elétrica. Depois de horas fora da água, ela ainda pode provocar grandes descargas elétricas. Há outras espécies de enguias encontradas em quase todos os rios brasileiros e que não inofensivas, mas cuidado, a gente nunca sabe se é ou se não é das perigosas.

Exatamente, essa dúvida de não saber quem é quem é que significa perigo. Em termos religiosos, a falta de autenticidade dos crentes pode ser comparada com a enguia. A gente nunca sabe se ele é um crente confiável ou se é apenas um alguém que usa a igreja como um clube social, ou se tem na igreja um campo de interesse para vender alguma coisa (livros, CDs, brindes para presentes, até bíblias). A igreja, às vezes, é um grande campo de interesse dos aproveitadores e a gente fica na dúvida de quem é quem. A igreja não é um rio, mas tem enguias dentro dela, pode acreditar! Essa falta de autenticidade de algumas pessoas faz delas um problema sério para as famílias, para a sociedade e para o país. Basta olhar para alguns políticos.

Os comentários estão encerrados.