Meditação diária de 14/07/2018 por Flávio Reti
14/07/2018
Meditação diária de 16/07/2018 por Flávio Reti
16/07/2018

Meditação diária de 15/07/2018 por Flávio Reti

15 de julho

O Pernilongo (Culex pipens)

Zacarias 4:10   “Ora, quem despreza o dia das coisas pequenas…?”

Dependendo da região do Brasil, o pernilongo recebe nomes diferentes: pernilongo, carapanã, muriçoca e mais recente surgiu o Aedes Aegypti. Os nomes mudam bastante, mas a raiva quando se está dormindo e um deles canta aquela musiquinha no ouvido e a gente acorda, essa não muda. Mas aposto que muitas coisas a respeito dos pernilongos você ainda não sabia: Que um pernilongo macho vive apenas 8 ou no máximo 10 dias. Que a fêmea vive até mais de um mês. Que se o inverno chegar antes que a fêmea tenha depositado seus ovos, ela hiberna e espera a ocasião adequada, favorável, e isso pode durar de 4 a 5 meses. Que eles dificilmente vão mais de 300 metros do local onde nasceram. Que eles vibram as asas 1000 vezes por minuto. Que só a fêmea suga o sangue dos demais animais para fornecer suprimento de proteína aos novos pernilonguinhos. Que os machos vivem de néctar e seiva de plantas. Que aquele som que incomoda não vem de algum assovio do inseto, nem é um canto dele, vem da vibração de suas asas devido a alta frequência que vibram. Que os pernilongos hibernam abaixo de 18º e morrem acima de 42º, por isso a temperatura ideal para um pernilongo atacar é entre 26º e 28º. Que os pernilongos se orientam pelo odor do dióxido de carbono e do ácido lático exalados durante nossa respiração. Que o pernilongo ao picar injeta uma enzima para evitar que o sangue coagule na sua tromba e essa enzima nos causa alergia formando pequenos hematomas no local da picada.  Recentemente se descobriu que os pernilongos, especialmente os da espécie Aedes Aegypti, causa várias doenças, como a chicungunya, a zika, a malária e a febre amarela e a invasão dos bichinhos está virando uma dor de cabeça para todo mundo. A USP (Universidade de São Paulo) está desenvolvendo um mosquito geneticamente modificado para produzir apenas descendentes machos, diminuindo assim a presença de fêmeas, as únicas que se alimentam de sangue. E também o Instituto Butantã está trabalhando no desenvolvimento de uma vacina que em breve ficará disponível ao público.

Falamos tanto do mosquitinho que esquecemos de dizer que ele é igual ao pecado. Pequeno mas eficiente. O pecado, por pequeno que seja aos nossos olhos, é pecado diante de Deus e é ele que nos separa de Deus. Precisamos nos precaver porque um pecadinho, tão aparentemente inofensivo, pode finalmente nos tirar do céu.

Os comentários estão encerrados.