Vídeos do Encontro Regional de Médicos Adventistas – 12/05/18
12/07/2018
Culto Divino com Pr. Helbert Almeida – 14/07/18
13/07/2018

Meditação diária de 13/07/2018 por Flávio Reti

13 de julho

O besouro (Scarabeus sacer)

II Coríntios 6:17   “Pelo que, saí vós do meio deles e separai-vos, diz o Senhor, e não toqueis coisa imunda e eu vos receberei”

Em novembro de 2016, houve em Belo Horizonte e cidades vizinhas uma invasão de besouros que assustou os moradores. As pessoas procuravam os centros de saúde preocupadas e com medo de serem picadas pelos besouros, mas informantes da saúde pública disseram que os besouros não picam e não são venenosos, portanto, não oferecem riscos de saúde, apenas o incômodo de ver montes deles nas sarjetas e cantos das casas. O único inconveniente é que quando o besouro pousa em alguém, ele deixa desprender um líquido, conhecido e sabido como ácido fórmico que em contato com a pele deixa uma leve queimadura em peles mais sensíveis. Os hábitos de vida dos besouros que não é lá muito interessante. Eles apreciam fazer uma bola de estrume de animais, como de cavalos e vacas, rolam-na até um buraco e depositam naquela bola de fezes de animal os seus ovos. Ao nascer a pupa, ela vai se alimentar das fezes e depois de adultas elas saem para invadir as cidades e as casas atraídas pelas luzes. Houve moradores de BH que disseram ser necessário usar enxada, pás e baldes para limpar os corredores de entrada das suas casas. Há quem prefira chamar os besouros de escaravelhos, não deixa de ser um nome mais elegante, mas continua sendo besouro e rolando estrume. Há um besouro na floresta Amazônica cognominado de besouro gigante, porque além de ser o maior inseto do mundo é o maior invertebrado voador. Pode chegar a 22 centímetros de comprimento e ser maior do que a mão fechada de um homem adulto e chega a pesar até 100 gramas. Dizem os estudiosos que o besouro tem tudo para não conseguir voar, pelo seu formato de corpo, pelo tamanho das suas asas e pelo seu peso, mas contrariando todas as leis da aerodinâmica, o besouro voa e muito bem.

Pensei no besouro vivendo com prazer rolando bolas de estrume de animais. Para nós, algo nojento, mas ele se sente muito bem preparando aquilo para sua descendência e o relacionei com aquelas pessoas que vivem em situação abjeta ao longo da vida, em prazeres imundos, contentes com a podridão deste mundo miserável. Elas precisam de Jesus para dar um sentido melhor para suas vidas e mudar seus hábitos indesejáveis. Quem sabe nós poderíamos ajudar, relembrando para elas a história de vida dos besouros. Enquanto rolam esterco, estrume, são nojentos, mas quando voam são elegantes e graciosos. Assim pode ser a vida das pessoas, pode mudar de abjeta para graciosa e bela.

Os comentários estão encerrados.