Meditação diária de 11/09/2018 por Flávio Reti
11/09/2018
Meditação diária de 13/09/2018 por Flávio Reti
13/09/2018

Meditação diária de 12/09/2018 por Flávio Reti

12 de setembro

O pirilampo (Lampyris noctiluca)

Mateus 5:16   “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso pai que está nos céus”

Pirilampo é o nome comum de insetos emissores de luz fosforescente. Alguns preferem chamá-los de vaga-lume, mas os pirilampos são menores. O que há de curioso entre os pirilampos é que apenas os machos possuem asas, logo, as fêmeas, por não poderem voar são presas mais fáceis das lagartixas, seu maior predador que é atraído pela luz. Quem trabalha com eletricidade sabe que existem dois tipos de corrente elétrica, a corrente alternada, essa que vem da rua e a corrente contínua, a que vem das baterias e pilhas. O inseto pirilampo só consegue emitir energia contínua, embora ele pisque, como se ligasse e desligasse um interruptor. Eles vivem no chão e nos troncos de árvores sempre à procura de alimento, outros insetos. Esse nome, pirilampo, tem sua origem na língua grega onde peri quer dizer “em volta, ao redor”, é só lembrar de periferia da cidade e já se sabe que peri é ao redor da cidade, mais lampein que significa também no grego “luz”, e se for traduzir seria “luz ao redor” o nome do inseto emissor de luz. Os indígemas os chamam de uauá, uma repetição como se dissessem “pisca-pisca”. A mesma forma de dizer também aparece na palavra Butantã quando eles queriam dizer “terra dura dura”. O Tupi não possui superlativo, eles não conseguem dizer terra duríssima, então eles repetem para indicar superlativo. No meu tempo de menino eu gostava de colecionar pirilampos dentro de um vidro para brincar com eles, até que eles morriam e apagava a luminosidade.

É aqui que está a lição que o pirilampo nos deixa. Chega um momento em que a luz se apaga, é a morte do inseto. Para nós também, chega um momento em que a nossa luz vai se apagar. Um inseto, se morrer, não causa estranheza alguma, mas quando nós morremos e nossa luz se apaga, não é como a morte de um inseto. Nós somos pessoas, criatura das mãos de Deus, e a morte de um ser humano traz tristeza para a família, mas muito mais para o coração do nosso criador. Exatamente por isso Deus faz tudo para nos salvar: dá suas leis para orientação da vida, oferece o sacrifício de Jesus, disponibiliza sua graça incomensurável, promete um novo céu e uma nova terra, acena com a vida eterna. Tudo isso para nos fazer conscientes de que somos criaturas especiais, que temos uma origem divina. Lembre-se, Deus quer salvar, mas você quer ser salvo? A nossa luz está, aos poucos, se apagando a cada dia que passa.

Os comentários estão encerrados.