Cabide do Bem – 17/06/18
11/06/2018
Meditação diária de 13/06/2018 por Flávio Reti
13/06/2018

Meditação diária de 12/06/2018 por Flávio Reti

12 de junho

A maritaca (Pionus maximiliani)

Hebreus 10:30   “… O Senhor julgará o seu povo”

A maritaca não é o mesmo papagaio. E nem tudo que é verde é papagaio. A maritaca é menor, é verde também e tem uma pequena mancha vermelha ou azul na asa. Maritacas e papagaios pertencem à mesma família, todos têm penas coloridas de cores vibrantes. As semelhanças são muitas, mas não são iguais. A tendência é diferenciar pelo tamanho, numa ordem inversa: Arara, papagaio, maritaca, periquito, tuim, mas essa maneira de caracterizar não é válida. Os papagaios são sociáveis, comunicativos, inteligentes e isso os faz se tornarem muito populares, já as maritacas não são tão sociáveis assim. Elas são bravas e bicam com vontade se for agarrada com a mão desprotegida. Elas gostam de viver em bandos e fazer muito barulho. Elas estão incluídas no grupo das aves que não podem ser domesticadas. Nossos pais se acostumaram a retirar essas aves da natureza e fazer delas bichinhos de estimação. Hoje existem leis que protegem a flora e a fauna brasileiras. Hoje é crime retirar aves da natureza. Certa vez um amigo me procurou para resolver um problema elétrico na sua casa. Sempre que ele ligava uma determinada lâmpada, ele ouvia um barulho e a casa ficava às escuras. Sondando o problema, cheguei a um ninho de maritacas dentro do forro da casa onde passava um par de fios e elas, com o bico, pacientemente, descascaram os fios e os colocaram em curto circuito. Consertado o defeito tudo se resolveu. Depois de um mês, o problema voltou e elas mais uma vez descascaram os fios e novamente puseram em curto. As cascas do plástico que envolviam os fios estavam todas picotadas e arranjadas ao redor do ninho, uma verdadeira obra de arte. Pobres maritacas, elas não sabiam das consequências que estavam criando inocentemente, mas estavam.

Nós, pessoas, muitas vezes, na nossa ignorância, causamos muitos dissabores aos nossos semelhantes. Para nós, achamos que estamos certos, que não estamos prejudicando ninguém, como as maritacas da casa do meu amigo, mas sem saber podemos estar causando enormes problemas e grandes prejuízos. A verdade é que a ignorância não é autorização para errar, nossa ignorância não justifica nossos atos pecaminosos e prejudiciais para nós e para os demais ao nosso redor. Muitas famílias sofrem por causa da ignorância dos pais na certeza de que estão fazendo tudo certinho. Nossa consciência pode nos enganar, aliás, ela nunca foi um guia seguro.

 

Os comentários estão encerrados.