Projeto “A Experiência da Mesa” – 15/06/18
10/06/2018
Culto Infanto-Juvenil e PicNic – 16/06/18
11/06/2018

Meditação diária de 11/06/2018 por Flávio Reti

11 de junho

A Arara (Anodorhynchus)

Mateus 25:34   “…Vinde, benditos de meu pai. Possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo”

Provavelmente você já entrou em alguma loja de roupas, já deve ter visto as roupas penduradas numa armação de ferro para exposição. Pois bem, aquela armação para pendurar roupas recebe, por meio de uma metáfora, o nome de arara. Talvez porque as araras, que têm garras e bico muito fortes, se dependuram de qualquer jeito nos ramos das árvores, por comparação deram esse nome ao cabideiro das lojas. Mas as pobres das araras verdadeiras estão se acabando, estão em processo de extinção, porque muitas pessoas acham que devem ter esses pássaros para servirem de animais domésticos, na onda do “meu pet”. Araras também é nome de um município no interior d São Paulo. O nome de Araras atribuído ao município foi devido ao rio que corta a cidade e ao grande números dessas aves que havia nas matas ciliares do rio. Uma arara, apenas uma, já significa um exagero de cores em uma só ave, ela é uma prova inequívoca de que Deus fez o mundo belo e muita da sua beleza ainda perdura a despeito de como o mundo é maltratado.

As araras são aves barulhentas e em algumas cidades é possível vê-las soltas voando livremente. Eu vi isso em Campo Grande, MS, em Ituiutaba, MG. No viveiro do balneário das Laranjeiras, em Olímpia, SP, elas são tão mansas que vêm pousar nos ombros dos visitantes e querem arrancar os brincos e os colares das mulheres. Elas costumam gritar muito para se comunicarem entre si. Alimentam-se de frutas, sementes e castanhas. Fazem seus ninhos nos troncos das árvores. Aqui no Brasil é comum encontrarmos araras no Pantanal mato-grossense, na Amazônia e na mata Atlântica e há uma grande variedade delas: arara-azul, arara-canindé, arara-verde-grande, arara-de-garganta-azul, arara-vermelha e arara-militar. São da mesma família dos papagaios, mas infelizmente só conseguem aprender pouquíssimas palavras.

Quando li que elas só conseguem aprender poucas palavras, fiquei pensando no hino dos remidos quando formos para o céu, que ninguém poderia aprender senão apenas os redimidos, que passaram pela experiência da redenção (Apoc.14:3). Os seres de outros mundos habitados não poderão cantar conosco porque não tiveram a experiência que os remidos tiveram, a de ser pecador, arrepender-se e ser perdoado e finalmente salvos. Grande será o regozijo na multidão de remidos de todas as épocas, desde Adão até o último convertido neste mundo. Eu quero estar lá, e você certamente quer também. Agora, não adianta fazer barulho como as araras, devemos humildemente, em silêncio, nos achegar aos pés do salvador e dizer: Senhor, tem misericórdia de mim, pecador!

Os comentários estão encerrados.