Meditação diária de 10/01/2018 por Flávio Reti
10/01/2018
Meditação diária de 12/01/2018 por Flávio Reti
12/01/2018

Meditação diária de 11/01/2018 por Flávio Reti

11 de janeiro

O Babuíno (Papio papio)

Tito 2:13   “Aguardando a bem aventurada esperança e o aparecimento da glória de nosso grande Deus e salvador, Jesus Cristo”

Eu não consigo esquecer de quando eu era criança, uns 10 anos, e minha mãe me levou para passear em Potunduva, interior de São Paulo, para visitar uma irmã de meu pai. Como menino não fica quieto, eu logo fui bisbilhotar o quintal da casa e descobri que havia um mastro com uma casinha lá no alto e no pé do mastro um macaco prego preso pela coleira a uma corrente não muito longa. Ele tinha liberdade de rodar o mastro numa circunferência de uns 6 metros de diâmetro. Ele podia se afastar do mastro uns três metros e subir e descer livremente. Muito xereta, como eu era, resolvi oferecer uma bala para o macaco. Então me aproximei dele e estendi a mão com a bala, mas ele, ao invés de pegar a bala, subiu pelo meu braço e me pregou o dente. Quando eu berrei de medo, de susto e de dor, todo mundo veio correndo para saber o que foi. Era o escritor da meditação sendo mordido por um macaco. Até hoje eu não gosto da expressão: “macacos me mordam”. Peguei depois umas pedras e tentei atingi-lo, mas ele era muito mais esperto do que eu pensava. Ele subiu para a casinha no topo do mastro e não saiu mais de lá. E eu carrego até hoje a lembrança e a cicatriz por ter sido mordido por um macaco.

Mas falando em macaco, o babuíno é um tipo de macaco que não gosta muito de viver nas alturas, ele prefere andar pelo chão. Ele não consegue muito bem se prender com a cauda, mas são grandes lutadores e não demonstram medo de outros animais, nem das pessoas. Ele vivem dentro de uma hierarquia forte, sempre há um macho dominante dentro do grupo. Eles são onívoros, isto é, comem de tudo, qualquer tipo de alimento dependendo da estação do ano e do que está disponível no local onde vivem. Eles podem comer capim, casca de árvores, insetos e pequenos animais como lagartos.

O destaque é para a preferência de viver pelo chão e não no topo das árvores. Isso se assemelha ao comportamento humano de pessoas que não têm Cristo dentro do coração e se contentam em viver apenas para esta vida. Não pensam em céu, em salvação, em vida eterna e sequer olham para o alto para se socorrer em Deus quando as coisas não vão bem. Já não é assim com os cristãos, porque eles sempre vão estar voltado para o alto, esperando em Deus, com os olhos fitos na volta de Jesus e na esperança de uma dia estar no céu com todos os anjos e vivendo para sempre na eternidade. O cristão não tem um comportamento de babuíno. Ele é diferente.

Os comentários estão encerrados.