Meditação diária de 09/09/2018 por Flávio Reti
09/09/2018
Meditação diária de 11/09/2018 por Flávio Reti
11/09/2018

Meditação diária de 10/09/2018 por Flávio Reti

10 de setembro

A Saracura (Aramides saracura)

Miqueias 4:2   “…Vinde, subamos ao monte do Senhor e à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine os seus caminhos, de sorte que andemos nas suas veredas…”

Já ouviu alguém chamar outro de perna de saracura? Na verdade a perna da saracura não é tão feia assim e nem tão comprida para alarmar. A saracura também é conhecida como saracura do brejo porque vive no chão de áreas alagadas, nos manguezais e nas margens de rios e lagos. Ela é pontual ao cantar de madrugada e ao anoitecer. É um canto muito alto que de longe se escuta e às vezes ainda faz dueto com o companheiro ou com outras saracuras vizinhas. A antiga dupla caipira, Tonico e Tinoco, fez uma música de nome O CANTAR DA SARACURA homenageando a saracura, ave muito conhecida do sertanejo. Não é grande, mede apenas uns 35 centímetros de comprimento e pesa apenas uns 400 gramas, plumagem colorida de várias cores e os pés e os olhos bem vermelhos. Ela prefere sempre o chão e por isso raramente voa, só mesmo em situações muito necessárias, mesmo assim é um voo curto que termina logo ali. Entre os camponeses há um ditado que diz que quando a saracura canta no meio do dia é porque vai chover, mas ela cantando ou não cantando, sempre vai chover, só não sabemos que dia.

Note que a saracura prefere os ambientes úmidos, quase alagados, às margens de rios e de lagos, dentro de mata e no meio de juncos. É sua preferência particular, seu modus vivendi. Quando retirada de seu ambiente natural ela raramente sobrevive, ela não aceita outro tipo de vida, ainda que seja melhor e mais farto em alimento. O brejo é o seu lugar. Até se parece com algumas pessoas que não conseguem mudar de vida. Acostumam-se com uma vida tacanha e mísera que mesmo diante de uma oportunidade de mudar para melhor se negam a aceitar. Preferem ficar onde estão plantadas e a vida para essas pessoas se resume nisso: Trabalhar, comer, procriar e morrer. Quando Deus fez o homem, almejava para ele uma vida mais abundante de crescimento físico e intelectual. Ele deveria expandir a mente e aprender a pensar mais altruisticamente, crescer em maturidade e em conhecimento, afinal, era filho de Deus, senhor desse mundo a ele sujeitado. Mas, sem o saber, a felicidade plena não quis e ainda lançou a humanidade nesse limbo em que vivemos. Muitas vezes, mudar de vida é preciso e essa é a nossa necessidade do momento. Mudar para mais perto do criador, para mais perto do céu, para uma vida melhor, mais abundante. Pense em mudança de vida, mas pense em mudar para melhor, não faça como a saracura que não aceita mudança.

Os comentários estão encerrados.