Meditação diária de 08/08/2018 por Flávio Reti
08/08/2018
Meditação diária de 10/08/2018 por Flávio Reti
10/08/2018

Meditação diária de 09/08/2018 por Flávio Reti

09 de agosto

O Azulão (Cyanocompsa brissonii)

Isaías 66:2   “A minha mão fez todas essas coisas e, assim, todas elas vieram a existir…”

Seu nome diz quem ele é, um pássaro azul de verdade. Muito caçado pelo seu canto atraente. É um passarinho imponente, de bico grande e negro e penas azuis brilhantes. A fêmea já é um pouco pardacenta. Ele é meio preguiçoso na hora de construir seu ninho, porque prefere fazer no chão ao invés de levar gravetos pra cima de uma árvore. Pelo fato de cantar bonito e forte, ele é um dos dez passarinhos mais mantidos em gaiolas. Ele gosta de cantar de madrugada e ao anoitecer, é nesse horário que ele solta a voz e deixa embevecido os aficionados por pássaros. O azulão é uma ave que sabe viver em comunidade. Quando acontece de algum papai ou mamãe morrer, os demais pássaros parentes se encarregam de cuidar dos filhotes até que esses possam se virar sozinhos. Não só os parentes, mas até os vizinhos azulões aparecem para ajudar de boa vontade, como se essa atividade fosse obrigação deles. Certa vez um ornitologista estudou as marcas possíveis entre os azulões, tais como o bico, as cores da cabeça, procurando saber se todos eram iguais como parecem, mas ele concluiu que todos eles tinham alguma coisa que os diferenciava entre si. Depois de estudar cada um, ele disse que seria capaz de identificar um por um dentro do bando. Aqui é onde está uma bela lição para nós: Nossas diferenças individuais devem servir para nos tornar ainda mais únicos neste mundo e não motivos para condenar outras pessoas dizendo: “Eu sou assim, comigo é assim”. Diferença na cor da pele, na altura, no tamanho do pé, do nariz, da boca não podem servir de motivo para nos sentirmos superiores. Não importa nossa aparência, Deus nos ama de igual maneira, assim como todos diferentes de nós. Deus sabe muito bem que cada um é diferente do outro, afinal de contas, somos únicos no mundo. Jesus deixou perceber isso quando disse que até os cabelos da nossa cabeça já estão contados (Mat:10:30). Você tem apenas que lembrar que as mesmas feições que o fazem diferente dos outros, são as mesmas coisas que o fazem especial diante de Deus. Você já parou para pensar como seria sem graça a vida e confuso se todos fossem iguais? É natural um passarinho ser diferente de uma cobra ou uma borboleta ser diferente de uma tartaruga, é óbvio que há diferenças entre os animais assim como entre nós. Eu sou único, Deus me fez diferente de todos os outros, inconfundível, é a minha identidade e Deus sabe muito bem quem eu sou e como eu sou.

Os comentários estão encerrados.