Meditação diária de 08/01/2018 por Flávio Reti
08/01/2018
Meditação diária de 10/01/2018 por Flávio Reti
10/01/2018

Meditação diária de 09/01/2018 por Flávio Reti

09 de janeiro

A ave-lira (Menura novaehollandiae)

III João 11   “Amado, não imites o mal, mas o bem. Quem faz o bem é de Deus, mas quem faz o mal não tem visto a Deus”

Se você tiver a oportunidade de ter nas mãos moedas australianas, repare na moeda de 10 centavos que nela está a estampa de uma ave. É a ave-lira, também chamado de pássaro-lira. É um pássaro grande com uma cauda longa, quase do tamanho de um corvo. O nome de pássaro lira vem da aparência de sua cauda longa que sugere uma lira.  O que há de curioso com essa ave é o fato dela ser capaz de imitar qualquer som que ela ouvir na natureza. Ela pode imitar o som de uma motosserra, a buzina de um carro ou o alarme do carro. Ela consegue plagiar qualquer ave da floresta australiana com uma imitação tão boa que chega a ser uma cópia exata do original. Ela é mais eficiente do que as indústrias chinesas e consegue enganar os demais pássaros facilmente. A biologia não entende exatamente porque o Pássaro-lira é tão bom em imitar os sons de coisas tão aleatórias, em parte porque nunca foram feitos estudos extensos para investigar isso. Presume-se que ele tenha memória e audição extraordinárias, claro, para ser capaz de registrar e reproduzir sons tão distintos com tanta perfeição.

A gente fica na dúvida, não sabe se elogia o pássaro pelo excelente exemplo de partilhar a cultura musical entre os pássaros ou se condena por plagiar os demais pássaros. Uma coisa é certa, eles são extremamente habilidosos na arte de viver porque sabem se adaptar a qualquer situação. Ela não agride outras aves, não rouba os ninhos, não saqueia os ninhos, não gosta muito de voar e demonstrar superioridade, antes prefere andar e ciscar o chão, como fazem as galinhas.  É isso que Paulo quer incentivar quando disse que “tendo, porém, alimento e vestuário, estaremos com isso contentes” (I Tim.6:8). Sabe, quem tem não demonstra e quem é capaz não diz. É assim que se comporta o cristão genuíno. Não precisa demonstrar que tem isso ou aquilo mais que os demais, não precisa exibir grandes capacidades diante dos demais para se impor como o mais importante. O pássaro-lira ensina essa preciosa lição: Fazemos qualquer coisa que for necessário. Alguém sempre tem que tirar o lixo e, se alguém for eu? Eu vou tirar o lixo. Alguém precisa lavar o banheiro e se esse alguém for eu? Eu vou lavar o banheiro. Esse é o comportamento cristão desejável sem arrogância nem ostentação.

Os comentários estão encerrados.