Meditação diária de 07/01/2018 por Flávio Reti
07/01/2018
Meditação diária de 09/01/2018 por Flávio Reti
09/01/2018

Meditação diária de 08/01/2018 por Flávio Reti

08 de janeiro

A aranha (Theraphosa Blondi)

Isaías 59:5   “Chocam ovos de basilisco e tecem teias de aranha; o que comer dos ovos deles morrerá e do ovo que for picado sairá uma víbora”

Qual criança que nunca viu um desenho animado do Homem aranha? Com truques e artimanhas cinematográfica eles conseguem dar a ilusão de que o homem aranha, vestido e mascarado a caráter como uma aranha, sobe pelas paredes, pula de um prédio para outro, desce por um fio e faz peripécias que toda criança gostaria de fazer. A aranha em suas variadas formas, existe em todos os continentes e em todos os habitats. A estimativa é de que existem mais de 40.000 espécies de aranhas no mundo. Algumas aranhas chegam a medir até 20 centímetros de envergadura e a menor aranha conhecida, na Colômbia, tem o tamanho menor que a cabeça de um alfinete. Quando se fala em aranhas, todo mundo tem medo das tarântulas, das armadeiras e das caranguejeiras por causa de seu aspecto feroz e por causa do veneno inoculado nas suas picadas.

Muitas são as histórias da persistência das aranhas. Uma senhora, certa vez, enquanto tomava seu desjejum, observou uma aranha entre a janela e a tela de proteção da janela. Ela sabia que aquela janela havia meses que estava fechada por causa do inverno e a mulher se pôs a imaginar como aquela aranha entrou ali. Não havia buracos na tela, a janela não fora aberta durante meses e lá estava uma aranha até grande. Sem ter uma resposta, a mulher conjecturou que talvez a aranha tivesse entrado ali enquanto ainda era pequena. A arranha mesmo não sabia que ao crescer ficaria para sempre presa entre a janela e a tela. Do ponto de vista da mulher, olhando para a aranha, ela não gostaria de estar enjaulada ali, mas do ponto de vista da aranha, ela estava feliz ali porque os pequenos insetos que a aranha comia podiam entrar facilmente e fornecer um banquete para ela. Ela mesma estava a salvo dos predadores de aranhas, como sapos, pássaros, lagartixas, cobras, todos não poderiam entrar ali. Assim, não havia preocupação para ela. O espaço, pequeno visto pela mulher, era suficientemente grande para uma aranha e ela vivia ali como se vivesse num paraíso.

Dessa experiência, podemos tirar algumas lições para nossa própria vida. A liberdade não é a rua, existem homens presos na rua e existem homens livres nos presídios, é uma questão de consciência. Podemos deixar decidido no coração que mesmo se um dia eu for preso por causa do evangelho, onde eu estiver será um lugar onde estarei seguro e meu alimento será certo.

 

Os comentários estão encerrados.