Dia Nacional Quebrando o Silêncio 25/08/18
06/08/2018
Nota Fúnebre: Ondina dos Santos Oliveira
07/08/2018

Meditação diária de 07/08/2018 por Flávio Reti

07 de agosto

O Garrincha (Troglodytes aedon)

I Crônicas 16:9   “Cantai-lhe, salmodiai lhe, falai de todas as suas obras maravilhosas”

O mundo do futebol conhece a palavra garrincha como um apelido do grande futebolista brasileiro que se tornou notável pelos seus dribles desconcertantes que aplicava nos adversários apesar de ter as pernas tortas. Ele já faleceu em 1983, no Rio de Janeiro. Mas o garrincha de que estamos não é o Garrincha jogador d futebol, mas é uma avezinha muito interessante que aqui nos sul chamamos de corruíra e em algum lugar do nordeste também chamada de cambaxirra. Ela gosta de fazer seu ninho em buracos de árvores e como já está bem ambientada entre nós, ela faz ninhos nos buracos do blocos das paredes das casas sem reboco. Todas as manhas elas despertam cantando e continuam durante horas. Essa avezinha é genuinamente brasileira, porque só encontrada no Brasil. Algumas aves são consideradas aves malditas, como o corvo, a coruja e também tidas como aves de mau agouro, ou agourentas, e são símbolos de maus presságios. Sua presença é indicativo de que algo ruim está para acontecer. Mas a corruíra é uma ave canora muito apreciada e que sabe agradecer quando alguém lhe faz um ninho artificial. Após sair do ninho, todas as manhas, ela canta em dueto com seu parceiro seu hino matinal muito agradável por ser bonito de verdade.

Aqui está uma características dignas de imitação por nós, filhos e filhas de Deus. Cantar. Nós temos motivos de sobra para agradecer, para ser alegres exatamente porque temos um Deus nos céus que nos ajuda a viver, nos orienta no que devemos fazer e que, sobretudo, nos ama a tal ponto de dar seu filho para morrer pelos nossos pecados. Cantar todas as manhas, no nosso culto matinal, é o mínimo que podemos fazer para ser gratos. Jesus contou a história dos dez leprosos que ele curou à beira do caminho e depois de despedidos perceberam que estavam curados. O espanto fica para o fato de que apenas um voltou para agradecer (Luc.17:15). Neste mundo em que as pessoas são ingratas e raramente se lembram de agradecer ao criador, as garrinchas, ou as corruíras, nos ensinam uma grande lição de vida. Cantam todas as manhas sem nada exigir em troca, simplesmente porque faz parte de sua vida cantar e alegrar os corações sensíveis. Dizem que “quem canta seus males espanta”. Então, vamos espantar o mal e sabe de que modo? Cantando todos os dias começando pela manhã!

Os comentários estão encerrados.