Banda Sinfônica Municipal de Sumaré no UNASP
06/05/2018
Curso de Primeiros Socorros dia 27/05/2018
07/05/2018

Meditação diária de 07/05/2018 por Flávio Reti

07 de maio

Porquinho da Índia (Cavia porcellus)

Romanos 14:17 “Porque o reino de Deus não consiste no comer e no beber, mas na justiça e na alegria no Espírito Santo”

O porquinho da Índia é um roedor assim como os ratos que há tempo vinha sendo usado em laboratórios para pesquisa, exatamente como ainda fazem com os ratinhos. Quando estão livres na natureza, eles formam colônias e com frequência a gente vê quando um deles atravessa a estrada, logo vem uma fila deles atrás. Aonde um porquinho vai o outro vai atrás. Faz parte da sua natureza estar sempre acompanhado por outro animalzinho da sua espécie. Quem intentar criar um deles vai ter que admitir mais de um, ou ele vai morrer de tédio. Pra quem gosta, é uma ótima opção de animal de estimação, porque não demanda muitos cuidados, ele é um animal rústico. São originários da América do Sul, mas há por todo o Brasil um semelhante chamado de preá, mas que é selvagem, não aceita carinho e menos ainda dominação. Os porquinhos da Índia são dóceis e aceitam carinho muito bem, podendo ficar horas no colo sendo coçados, acariciados. Costumam viver entre 5 e 8 anos e comem verduras, folhas e capim, mas comem dia e noite, sem parar. Eles se diferenciam na pelagem e na distribuição das malhas coloridas. Pequenos, bonitinhos e muito ativos, eles vêm ganhando espaço entre os animais de estimação. É uma excelente opção para crianças irrequietas, para adultos entediados e para amantes de animais. Eles também têm a capacidade de esconder sua condição de saúde e quando menos se espera ele morre porque o dono não percebeu que ele estava doente. Eles comem continuamente e comem muito.
É aqui que está a lição para nós. Como diz o verso citado acima, o reino de Deus não é comida e nem bebida, logo não podemos achar que é certo viver para comer. Porquinho da Índia pode comer quanto quiser, mas nós devemos ser regidos pelo bom senso.

Há muitas outras coisas necessárias na vida e que não é comida e nem bebida. Aliás, foi com comida que o pecado entrou no mundo e as consequência se veem até hoje. Paulo é claro ao aconselhar contra glutonaria ao dizer “andemos honestamente, como de dia, não em glutonarias e bebedeiras, não em impudicícias e dissoluções, não em contendas e inveja, mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e não tenhais cuidado da carne e suas concupiscências” (Rom.13:13, 14). Comer também pode ser para a glória de Deus sem necessariamente ser para satisfazer o ego.

Os comentários estão encerrados.