Meditação diária de 04/06/2018 por Flávio Reti
04/06/2018
1º Passeio Ciclístico do UNASP Hortolândia – 20 de maio de 2018
05/06/2018

Meditação diária de 05/06/2018 por Flávio Reti

05 de junho

O Pepino do mar ( Holothuria edulis)

Zacarias 1:4   “… Convertei-vos agora dos vossos maus caminhos e das vossas más obras…

Este é um animal invertebrado que vive exclusivamente no mar e pertence ao grupo dos chamados equinodermos que faz parte do grupo das estrelas-do-mar, dos ouriços-do-mar, são do mesmo grupo. Eles variam de cor, preto, esverdeado, marrom e medem de 20 a 30 centímetros em média, parecendo realmente um pepino meio espinhoso, mas é um animal. Há uma espécie de pepinos-do-mar nas Filipinas que chegam a 2 metros de comprimento. Eles habitam o fundo do mar, na areia ou no lodo. Entre eles, algumas espécies conseguem nadar. É um animalzinho mais inofensivo impossível. Se ele for atacado, sua primeira reação é procurar se abrigar, se enterrando na areia, no lodo ou atrás de alguma rocha. Se ele não conseguir escapar, ele tem uma outra saída mais radical que eu vou explicar logo abaixo. Ele come areia através de tentáculos em número de uns 30 ao redor da boca e aproveita a matéria orgânica que está misturada com a areia, como restos de algas, e depois elimina as sobras. Nos países asiáticos, eles são tidos como iguaria muito fina. Dizem os Portugueses, lá da Universidade de Algarves através de estudos realizados, que o consumo deles pode reduzir as doenças cardiovasculares. Os médicos que trabalham com medicina alternativa usam extratos preparados de pepinos-do-mar para tratar artrite, recuperação de cartilagens e diminuição da pressão sanguínea. Em laboratórios eles são processados para produzir vitaminas e suplementos minerais. O pepino-do-mar tem uma surpresa inexplicável para você, é que ao se ver sem saída, em sua auto defesa, ele se parte ao meio e deixa escapar as vísceras e você fica horrorizado achando que o matou. Mas ele em alguns dias se recompõe e desenvolve novos órgãos internos normalmente. Foi apenas uma maneira extraordinária de evitar ser apanhado.

“É um animalzinho inofensivo”. Que bom seria se nós seres humanos fôssemos assim também classificados! Mas não somos, e na maioria das vezes somos explosivos e agressivos contra tudo e contra todos que nos parece adversário, nos parece, nem precisa ser e nós já estamos esbravejando e agredindo. O que se passa com o ser humano para ele se comportar assim? Será que foi o vírus do pecado que o deixou desqualificado? Possivelmente. O ser humano não é mais aquele ser inocente que saiu das mãos do criador puro e sem defeito. O homem se aviltou por conta própria nesses 6.000 anos de pecado e hoje chega a ser quase irreconhecível como pessoa criada à imagem de Deus. Estamos longe do original, precisamos voltar para voltar a ser felizes.

(A foto extraída do site: https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=27819659 e pertence a Nachosan – Own work, CC BY-SA 3.0)

 

Os comentários estão encerrados.