Comentários da Lição 5 (2o Trim/2018) por Pr Narcizo Liedke
04/05/2018
Meditação diária de 06/05/2018 por Flávio Reti
06/05/2018

Meditação diária de 05/05/2018 por Flávio Reti

05 de maio

O Porco (Sus scrofa domesticus)

II Coríntios 6:17   “Pelo que, saí do meio deles e separai-vos, diz o Senhor, e não toqueis coisa imunda e eu vos receberei”

O porco é um animal mamífero que tem muitas curiosidades. Ele tem quatro patas e quatro dedos em cada pata, ou pé. Tem um focinho cartilaginoso duro com o qual remove a terra em busca de algum alimento enterrado. Um porco solto numa horta ou numa lavoura causa um prejuízo incalculável. Ele tem normalmente 44 dentes e quando é um animal bravo, ele morde as pessoas, com um movimento lateral da cabeça. Ele é considerado imundo e identificado com sujeira, além de um cheiro muito forte que exala do corpo através de algumas glândulas. Pessoas não muito asseadas são chamadas de “porcas”. Ele é considerado animal doméstico, mas tem seus parentes selvagens como o javali, o queixada, também chamado de cateto. Os homens utilizam-no como alimento comendo sua carne, sua gordura, mas na bíblia ele é considerado um animal imundo e proibido seu consumo (Lev.11:7). Há uma onda atualmente de criar um porquinho como animal de estimação, um pet, pra ser mais moderno, dentro de casa. E eles vêm conquistando cada vez mais o carinho das famílias porque eles são sociáveis, dóceis e muito divertidos. Há quem ache estranho, exótico, um porco dentro de casa, mas dizem que é como qualquer outro animal de estimação. Inclusive saem pelas ruas para passear levando o porquinho na coleira, coisa de comportamento estranho, mas a moda está pegando. A medicina tentou, no início da tecnologia dos transplantes, substituir órgãos doentes de humanos por órgãos sadios de um porco, mas não houve compatibilidade e parece que a onda morreu no nascedouro. Transplantes hoje são feitos com órgãos de outro ser humano mesmo. E depois de conhecer alguma coisa do porco, o que eu aprendo com ele? Experimente dar um belo banho no porquinho, passar perfume, pôr uma fitinha colorida no pescoço e em seguida soltá-lo no quintal. Sabe o que ele vai fazer em seguida? Ele vai fuçar a terra e rolar na lama porque ele continua sendo porco. Assim são as pessoas que vêm para a igreja, ouvem sermões, participam das atividades da igreja, mas se não foram realmente convertidas, na primeira oportunidade saem para as ruas cometendo as mesmas ações que cometiam antes, exatamente como faz o porquinho de estimação ao ser solto no quintal. Só um novo nascimento pode mudar as pessoas, mas nada no mundo pode mudar um porco.

Os comentários estão encerrados.