Comentários da Lição 05 (3o Trim/2018) por Profª Ana Kelly Ribeiro
03/08/2018
Seven Bikers e Amigos: passeios todos os domingos
04/08/2018

Meditação diária de 04/08/2018 por Flávio Reti

04 de agosto

O Urubu (Coragyps atratus)

Provérbios 27:21   “O crisol é para a prata e o forno para o ouro, mas o homem puro é provado pelos elogios que recebe”

O urubu é uma ave carniceira, cujo canto é um rosnado sem graça. Ela nos causa asco porque todos nós sabemos que ela se alimenta de carniça, animais mortos e fedorentos, e nos dá aquela sensação de fedor, mal estar, agouro, ave asquerosa. Por outro lado é uma ave protegida por lei, porque representa um agente de limpeza na natureza. Ela se encarrega de comer os animais mortos e evitar a proliferação de muitas doenças e muitos germes nocivos no meio ambiente. Penso que todos conhecem a fábula da raposa e do urubu. Conta-se que um urubu arranjou, não se sabe onde, um bom pedaço de queijo e voou logo para cima de uma árvore a fim de saborear o petisco achado. Um raposa faminta que por ali passou, logo viu o urubu com aquele pedaço de queijo no bico e desejou comê-lo, para tanto mentalizou um plano de fazer o urubu derrubar o pedaço de queijo para ela abocanhar. Então, com muita vontade de comer aquele queijo e não podendo subir na árvore, afinal não tinha asas, ela resolveu usar sua inteligência em benefício próprio e começou a elogiá-lo com as seguintes palavras: Bom dia, amigo urubu!  O urubu olhou para ela e simplesmente fez uma saudação balançando a cabeça sem soltar o queijo. E ela continuou: Ouvi falar que o rouxinol tem o canto mais belo de toda a floresta, mas eu aposto que você, meu amigo, se cantasse, faria melhor do que qualquer outro animal. Vamos cante um pouco para eu ver e para avaliar sua bela voz. Sentindo-se desafiado e querendo provar seu valor, o corvo abriu o bico para cantar, foi quando o queijo caiu-lhe do bico e foi direto para o chão. A raposa apanhou o queijo e agradeceu o urubu e em seguida, saiu toda refestelada.

É uma história infantil, mas encerra uma grande lição. Desconfie sempre dos bajuladores, porque eles sempre se aproveitam da situação para passá-lo para trás. Várias vezes Jesus foi confrontado com as bajulações dos judeus. Várias vezes se achegaram a ele com as palavras: Grande mestre, Bom mestre, mas por trás dessas saudações calorosas, efusivas, estavam interesses escusos com intenção de apanhá-lo em alguma contradição. Bajulações e lisonja sempre trazem nelas alguma coisa de interesse do bajulador e do lisonjeiro. Desconfie sempre das bajulações.

Os comentários estão encerrados.