Acampamento de Verão 2019
02/10/2018
Retiro do Consulado 2018
03/10/2018

Meditação diária de 03/10/2018 por Flávio Reti

3 de outubro

Esfinge de morgam (xanthopan morgani)

Jó 9:10   “Aquele que faz coisas grandes e insondáveis e maravilhas que não se podem contar”

Trata-se de uma mariposa grande descoberta em 1903 na ilha de Madagáscar que é atraída pelo perfume de uma orquídea de cor branca em formato de estrela chamada cometa. A orquídea tem um estigma comprido de uns 30 centímetros e a mariposa faz uso de sua língua mais comprida ainda para sugar o néctar no interior da orquídea. Quando se fala em língua comprida a gente se lembra automaticamente de camaleão, de lagartixa, de sapo que esticam a língua para apanhar insetos, mas a gente nunca pensa que uma mariposa possa ser mais linguaruda do que um camaleão. Estou chamando aquilo de língua, mas o nome científico daquela parte da mariposa se chama probóscide, um canículo por onde ela suga e quando não está usando ela enrola para não se atrapalhar com ele. Com relação ao tamanho do seu corpo, a mariposa é o animal com a língua mais comprida do mundo, realmente linguaruda. Especula-se que quando Darwin viu essa flor ele afirmou, em 1862, que deveria haver um inseto capaz de polinizá-la, do contrário ela não existiria e se existisse ela não se multiplicaria, ele não conhecia a simpática senhorita xanthopan morgani quando recebeu de um amigo um pacote dessas orquídeas. Só em 1903 é que se conheceu a tal mariposa e com isso os aduladores de Darwin dão a ele um enorme crédito pela “afirmação profética” da existência de um inseto capaz de fazer a polinização. Coincidências existem, ninguém pode negar, mas que esse episódio tenha sido uma profecia fica difícil de aceitar.

Quando Jesus morria na cruz, o véu do santuário se rasgou de alto abaixo, a terra se escureceu e houve grande terremoto. Coincidências? Não foram coincidências, foi a maneira de Deus mostrar que daquele momento em diante o santuário que prefigurava o sacrifício de Cristo deveria entrar em desuso. O escurecimento do sol foi uma demonstração de tristeza pela morte do inocente salvador. O terremoto foi para demonstrar seu poder de vencer o mal, fazer o mundo ver que na morte de Jesus estava o poder de salvar a todos que a ele recorressem em busca de perdão e salvação. Algumas coisas a gente nem sempre entende de pronto, mas depois de algum tempo, juntando os cacos, formamos a imagem do todo e concluímos que Deus ainda está no controle. Nada acontece por acaso, puramente acaso. O acaso também pode ser um meio de Deus nos ensinar lições.

Os comentários estão encerrados.