Meditação diária de 01/10/2018 por Flávio Reti
01/10/2018
Dia Mundial dos Desbravadores em nossa Igreja
02/10/2018

Meditação diária de 02/10/2018 por Flávio Reti

2 de outubro

O Dragão Azul (Glaucus atlânticus)

Hebreus 3:13   “Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado”

Pelo nome você ficou pensando que se tratava de um enorme animal batendo com a cauda e jogando fogo pela boca, mas se enganou, porque o dragão azul se trata simplesmente de um molusco com aproximadamente quatro centímetros e de cor azulada. É um animalzinho folgado, porque sua maneira de se locomover é flutuar na água e se deixar levar pelas ondas do oceano. Mas não um único animal, sozinho, isso é feito aos milhares e dá uma aparência até bonita na superfície da água. Em lugar de cada membro ele possui seis derivações como apêndices com ramificações em raios dando a aparência de que ele possui pata em forma de flor. Ele existe em todos os oceanos do mundo e esse animal, uma lesma, costuma flutuar de cabeça para baixo se apoiando na tensão superficial da água salgada, mais densa e mais pesada. Embora apareça aos milhares, ele não representa risco aos banhistas. O conselho é não tentar segurá-lo na mão, porque ele pode liberar toxinas e queimar a pele. Ele não tem toxina, mas pode se alimentar de água-viva que possui a toxina e liberar no momento do toque nele. Fica aí mais um animal que prega uma peça em nós. Eu também achei que se tratasse de um enorme animal, porque a palavra dragão enseja pensar em alguma coisa enorme, poderoso, amedrontador, mas a gente se engana quando fica sabendo que se trata de um molusco de 4 centímetros quase inofensivo e perdido na imensidão do mar. Como podemos ser enganados!

Mas nós nos enganamos com muitas outras coisas na vida. Meu filho quando pequeno queria porque queria ser bombeiro, era fascinado por caminhão de bombeiro. Quando teve a oportunidade de comprar um brinquedo, adivinhe o que ele comprou? Um caminhão de bombeiro. Hoje quando a gente fala nesse assunto ele ri de si mesmo, da sua inocência, da sua falta de malícia da vida, da sua ignorância das coisas deste mundo. Hoje ele faz outra coisa bem diferente e ver um caminhão de bombeiro passar é o mesmo que ver uma bicicleta passando, não faz qualquer diferença e não lhe chama a atenção em nada. O homem é assim, sempre enganando e sempre sendo enganado. Somente em um aspecto nunca poderemos ser enganados, é quanto ao nosso preparo para nos encontrarmos com Jesus na sua vinda em glória e majestade para buscar os filhos seus deste mundo e levá-los para o reino dos céus. Aqui não podemos nos enganar.

Os comentários estão encerrados.