Meditação diária de 26/11/2018 por Flávio Reti

CPB de Natal 2019
25/11/2018
Meditação diária de 27/11/2018 por Flávio Reti
27/11/2018

26 de novembro

Dragão-Marinho-Folheado (Phycodurus eques)

Hebreus 12:2   “Fitando os olhos em Jesus, autor e consumador de nossa fé, o qual… está assentado à direita do trono de Deus”

Olha bem na imagem dessa foto. Que lhe parece? Uma planta? Um ramo de alguma planta? É mais um animal da família dos cavalos-marinhos. As nadadeiras, ou se quiser chamar de barbatanas, são várias e em formato de folhas e mais parece um galho com uma aparência de bicho feio, por isso o nome de dragão folheado. Como o nome dele sugere, há uma porção de penduricalhos em forma de folhas ao longo do corpo o que o leva a se parecer com uma plantação de algas no fundo do mar, seu habitat natural. Essa aparente folhagem não serve para propulsão dele, mas apenas para camuflagem. Ele se move serenamente na água dando a impressão de um punhado de algas flutuando. Os olhos ficam localizados em cima do seu nariz comprido e há vários espinhos defensivos em ambos os lados do corpo. Eles são habitantes da costa da Austrália e devido à caça predatória para embelezar aquários de todo mundo, eles estão à beira da extinção. Curiosamente, os dragões marinhos conseguem mudar de cor dependendo da sua dieta, da sua idade e do seu nível de estresse. Eles podem mergulhar a grandes profundidade e voltar à superfície sempre no mesmo lugar onde frequentam, onde normalmente vivem, isto devido ao seu sofisticado poder de se localizar com seu GPS particular. Alguns deles chegam a 20 centímetros de comprimento e podem viver de cinco a sete anos aproximadamente. Alguns o classificam como peixe, mas visivelmente não é um peixe, assim como há centenas de criaturas nos mares que não são peixes. A disposição dessas aparentes folhas faz de cada um deles um animal diferente do outro, não existe um dragão-marinho-folhado igual ao outro. Outra curiosidade é que o cavalo-marinho se prende nas rochas, nos corais, com a cauda, enquanto o dragão-marinho não se prende, ele simplesmente flutua.

Gostei da expressão: Ele não se prende às rochas ou aos corais. Isso me leva a pensar nas pessoas que se prendem às outras, como alguns evangélicos que se prendem a um líder que surge fazendo sucesso e que logo passa deixando muitos na decepção. É por isso que a bíblia não chama a atenção para os profetas, para os apóstolos, mas para Cristo, o único que permanece. Pode notar que todos os profetas passaram, os apóstolos passaram igualmente, mas a pessoa de Jesus permanece para sempre, porque ele é eterno tanto quanto o próprio Deus. Se nós compreendêssemos essa verdade, nós também desviaríamos o olhar das pessoas e nos voltaríamos unicamente para Jesus, aliás, ele é o único que nos pode salvar. Quando você vir um grande líder fazendo sucesso entre a cristandade, saiba, com certeza, que será por pouco tempo. Os seres humanos não permanecem para sempre. Tudo passa nesta vida!

Os comentários estão encerrados.