Meditação diária de 24/11/2018 por Flávio Reti

Celebrações de Ação de Graças 2018
23/11/2018
Meditação diária de 25/11/2018 por Flávio Reti
25/11/2018

24 de novembro

A Cobra Krait (Bungarus candidus)

Gênesis 3:1   “Ora, a serpente era o mais astuto de todos os animais do campo que o Senhor Deus tinha feito”

É a cobra considerada a mais venenosa do mundo e você não vai querer cruzar com uma delas pelo caminho, aliás, se você for brasileiro, a chance de encontrar uma krait é muito remota porque ela é uma cobra essencialmente malasiana, isto é, da Malásia. Não é novidade as cobras serem canibais e esta não escapa da regra, ela é uma canibal e chega a se alimentar de seus próprios filhotes quando têm necessidade de alimentos nutrientes. A agressividade da krait varia com a luminosidade do dia, quanto mais escuro o dia mais agressivas elas são, por isso os malasianos devem tomar mais cuidado redobrado à noite. Ela mata e devora outras cobras de modo que até as cobras têm medo dela. Dizem que por lá, na terra dela, mesmo com o uso do soro antiofídico, 50% das pessoas mordidas por ela morrem invariavelmente. A neurotoxina contida no veneno da krait é 16 vezes mais potente do que as toxinas do veneno das demais cobras, inclusive mais potente do que o veneno da naja africana. Suas vítimas sofrem paralisia muscular, tremores e convulsões antes de morrer. As cobras não possuem todas o mesmo veneno, elas se dividem em três grandes grupos: primeiro grupo é o grupo das cobras cujo veneno atua no sistema nervoso periférico e causa paralisia respiratória, o caso da nossa coral. O segundo grupo são as que ao inocular o veneno causam dificuldade na coagulação do sangue e causam hemorragias com necrose no local da mordida. O terceiro grupo causa a destruição das fibras musculares e em seguida a parada cardíaca e a insuficiência renal aguda. Todas são extremamente perigosas, mas a krait ainda é mais violenta. Apesar do perigo que representam, a criação de cobras é um negócio muito vantajoso pelo elevado valor de mercado das substâncias por elas excretadas, principalmente no ramo farmacêutico, embora essa atividade não seja muito explorada no Brasil.

E pensar que quando satanás iludiu Eva no jardim do Éden, ele fez uso de uma serpente falante, aliás, ele falando através dela. E não parecia uma serpente, uma cobra perigosa, porque falava com ares de simplório e mentiroso que a convenceu. Sempre que falamos em cobra a imagem que nos vem à mente é Eva sendo iludida por uma cobra. E foi dali que a situação de desgraça começou neste mundo e se arrasta até hoje, como se arrasta uma cobra, fazendo vítimas ainda hoje, não de seu veneno, mas de seus sofismas, de suas mentiras, de seu atrevimento contra a pessoa de nosso Deus. A comparação do diabo com uma cobra é bem ao ponto, cai bem, porque ambos são perigosos.

Os comentários estão encerrados.