Meditação diária de 04/12/2018 por Flávio Reti

Lançamento do CD do Coral Canto Livre 2018
03/12/2018
Culto de encerramento das atividades jovens de 2018
04/12/2018

04 de dezembro

O Salmão (Salmo salar)

I Timóteo 3:8   “Da mesma forma, os diáconos sejam sérios, não de língua dobre, não dados a muito vinho, não cobiçosos de torpe ganância”

O salmão é um peixe de porte grande e muito consumido nas mesas de todo mundo. Ele é originário dos rios e mares frios da Europa. Por ter a carne rosada ele atrai os consumidores. Curiosamente, quando criado livre na natureza, ele nasce em águas doces e depois vai para o mar, normalmente para o norte da Europa e na primavera ele retorna ao seu local de origem para ali se reproduzir e é nesse vai e vem que ele é capturado no meio do caminho. O que ninguém sabe é que o salmão não tem a carne rosada como se vê nas mesas dos restaurantes e nas peixarias, mas branca. A tonalidade provém de um tipo de alga do qual ele se alimenta. Sabendo disso, os criadores artificiais, que criam para comércio, descobriram o truque e conseguem salmão rosado em tanques de criadouros longe do mar. Esse tal salmão passa até três anos nos rios e depois vai para as águas salgadas e pode viver sem problemas tanto em águas frias como nas águas temperadas de rios e de mares mais ao sul. O salmão é muito predado pelas focas, ursos marinhos, tubarões e pelas baleias, mas muito mais pelo homem. Ele é chamado de peixe gordo porque sua carne contém grande quantidade de gordura, mais ou menos 12 gramas de cada 100 gramas de carne e sua gordura é do tipo polinsaturada, ótima para a saúde humana, especialmente para mulheres grávidas ou em fase de amamentação. Sua carne é também rica em fósforo e selênio, elementos que agem como antioxidante no organismo. Contém também o tão propalado Ômega 3, um tipo de gordura indicada para o bom funcionamento do coração e do sistema cardiovascular. Qualquer pessoa que goste de peixe vai gostar muito mais do salmão pela suavidade da sua carne e pelas propriedades benéficas ao organismo. Mas, sempre existe um mas, o salmão que consumimos aqui no Brasil não é natural, é de viveiros de criadores que abarrotam os tanques com muitos peixes em condição de higiene precária e ainda os alimentam com ração e corantes para que a carne fique rosada. Os criadores usam também altas doses de gordura e antibióticos para que se desenvolvam mais rapidamente e deem maior lucro. O elemento químico astaxantina usado para tingir a carne do salmão é de origem sintética, proveniente do petróleo e, em grandes quantidades, podem dar alergias e problemas de visão.

Os homens são avarentos e gananciosos, esse é o problema. Não podemos sequer confiar nos alimentos que pomos nas nossas mesas. Talvez, pensando nisso, Deus providenciou para o homem um jardim com alimentos naturais, sementes e frutas à vontade. Deus sempre fez e sempre faz o melhor para seus filhos.

Os comentários estão encerrados.