Meditação diária de 29/10/2019 por Flávio Reti – Osama bin Mohammed bin Awad bin Laden
29/10/2019
Culto de Oração (30/10/2019 às 20h00)
30/10/2019

Meditação diária de 30/10/2019 por Flávio Reti – Michael Joseph Jackson

30 de outubro

Isaías 42:10  “Cantai ao Senhor um cântico novo e o seu louvor desde as extremidades da terra…”

Michael Joseph Jackson

Não é de se admirar que ele tenha se tornado um cantor tão famoso, afinal ele foi incentivado a cantar e dançar desde os cinco anos de idade. A revista Rolling Stone afirmou que ele acumulou em vida uma fortuna de sete bilhões de dólares o que o tornou o artista mais rico do mundo em toda a história e mesmo depois de morto ainda faturou um bilhão de dólares. Com onze anos ele já era o vocalista do grupo Jackson 5, da família. Em 1971 ele se lançou na carreira solo e um ano depois já era considerado o Rei do Pop. Ainda hoje ele é lembrado como o maior ícone negro da música americana e contribuiu para a aproximação entre brancos e negros diminuindo por lá o racismo doentio que existia. Com isso a música negra dominou o terreno popular e outras personalidades ganharam fama na sua sombra, veja por exemplo, Oprah Winfrey, Barac Obama que apesar de negros são figuras populares bem aceitas e muitas outras. Michael Jackson lançou um estilo de dança totalmente novo se utilizando dos pés e ele dava nomes às suas gingas, seus movimentos, no palco. Arrastava os pés, inclinava o corpo, fazia molejo com o corpo e dizia que era Robot, The Lean, e o famoso Moonwalk. Temos que destacar seu lado filantrópico e humanitário doando milhões de dólares para causas beneficentes e mantendo ele mesmo 39 centros de caridade através da sua fundação. Pena que a mudança na sua cor de pele, motivada por vitiligo, tenha gerado tanta controvérsia chegando a prejudicar sua performance e sua imagem pública. Más línguas o acusaram de abuso infantil, mas por falta de provas a investigação foi arquivada. Ele se casou, foi pai de três filhos e adotou vários outros.  Michael Jackson morreu devido a uma intoxicação pelo uso exagerado de um anestésico que causou uma parada cardíaca e o culpado, segundo investigação do tribunal de justiça de Los Angeles, foi o seu médico particular que administrou a dose excessiva do medicamento e foi condenado por homicídio culposo. Mais de dois bilhões de pessoas em todo o mundo assistiram ao vivo seu funeral pela televisão ao redor do mundo. A Sony Entertainment, depois da sua morte, comprou por 250 milhões o espólio de Jackson para ter os direitos autorais de distribuição de suas gravações e aproveitou para lançar sete álbuns póstumos. O Guinness Book assegura que Jackson foi o que mais vendeu, 1,5 bilhões de gravações durante sua carreira. Trinta e seis GRAMMYS e centenas de prêmios que o transformaram no artista mais premiado com a música popular. Ele bateu de longe os Beatles e Elvis Presley. Está hoje entronizado na cultura popular mundial e é conhecido em todo mundo, inclusive nos países fechados do mundo muçulmano. A mãe e os seus irmãos, todos, foram testemunhas de Jeová e faziam trabalho de evangelismo de porta em porta. Durante a infância, ele e os irmãos sofreram abusos do pai que surrava sem pena e aterrorizava psicologicamente. Eles ensaiavam tendo pai ao lado com um chicote na mão. Michael disse numa entrevista a Oprah Winfrey que muitas vezes vomitava só de ver o seu pai e chorava ao relembrar de sua infância.

Há muitos detalhes na vida de Michael, mas uma perguntinha: Quantas vezes ele cantou louvando a Deus? Quantos discos ele gravou com hinos ao criador? Está aí um detalhe mostrando que nossa vida pode ser vazia quando Deus não faz parte dela. Vamos cantar, louvar, afinal, somos filhos de nosso Deus.

Os comentários estão encerrados.