Meditação diária de 29/05/2019 por Flávio Reti – William Thomas Green Morton
29/05/2019
Meditação diária de 31/05/2019 por Flávio Reti – Elizabeth Gladys Millvina Dean
31/05/2019

Meditação diária de 30/05/2019 por Flávio Reti – Tito Flávio César Vespasiano Augusto

30 de maio

Apocalipse 22: “Eis que cedo venho e está comigo a minha recompensa, para retribuir a cada um segundo a sua obra”

Tito Flávio César Vespasiano Augusto

Quando você ouve falar em Tito, você se lembra de que? Da destruição de Jerusalém no ano 70 de nossa era e está muito certo. Ele não era o imperador, era apenas o comandante de tropas romanas, mas seu pai era o imperador, quando se deu o conflito com Israel e a consequente destruição da cidade, dos muros e do templo, o orgulho dos judeus. Diz o historiador patrício de Tito, Flavio Josefo, que Tito havia dado ordens para que não destruíssem o templo, mas como os soldados lutavam pelo despojo dos vencidos, um soldado inconsequente lançou uma flecha inflamada para dentro do templo, onde estavam entrincheirados centenas de judeus e o incêndio que se seguiu pôs o templo abaixo. Diz Josefo que por trás do templo havia uma canaleta que levava o sangue dos sacrifícios para o ribeiro que passava lá embaixo e naquele dia, naquela canaleta correu muito sangue humano. O ouro que revestia as paredes do templo se derreteu com o calor do incêndio e escorreu entre os escombros. E conforme as palavras de Jesus, de que “não ficaria pedra sobre pedra que não fosse derrubada” (Mat.24:2), os escombros foram revirados para a cata do ouro entranhado entre as pedras. Depois da destruição em Israel, Tito voltou triunfante para Roma e em sua homenagem foi construído o Arco de Tito, existente até hoje em Roma. A roda girou e ele chegou a imperador no ano 79 d.C. e governou o império romano apenas 2 anos. Mas foi suficiente para ele construir edifícios públicos, assistir à erupção do vulcão Vesúvio que destruiu as cidades de Pompeia e Herculano, enterrando vivos sob as cinzas centenas de seus habitantes, assistir também a um segundo incêndio de Roma. Sua maior conquista foi terminar e inaugurar a mais famosa obra iniciada por seu pai em Roma, o anfiteatro Flávio, depois conhecido por Coliseu. Tito depois de dois anos foi sucedido pelo seu irmão mais novo, Domiciano, e de lá para cá não se falou mais na pessoa do comandante Tito, o carrasco de Jerusalém, no ano 70, apenas 40 anos depois de Cristo.

No dia em que Cristo estava no alto do monte em frente da cidade de Jerusalém, ele chorou enquanto observava a cidade (Luc.19:41). Naturalmente, na sua onisciência, ele viu a desgraça que recairia sobre Jerusalém, viu as pessoas sendo mortas à espada romana, viu os muros sendo derrubados e viu também o incêndio do templo e por isso ele chorou sobre Jerusalém. No meu inocente pensamento, eu fico me perguntando: Será que Cristo não está novamente chorando ao ver tudo que está acontecendo neste mundo mau, nestes últimos dias? Este mundo se tornou em um lugar difícil de se viver, precisamos sair daqui urgente, mas para onde iremos? Por isso mesmo é que devemos apressar a vinda de Jesus para sermos urgentemente levados para o lar eterno onde só haverá alegrias e prazer diante de Jesus e em meio aos anjos. Uma nova terra, um novo lar, utopia? Não, é a promessa do próprio Jesus de que quando voltasse nos levaria para o lar que foi preparar. Eu aguardo esse dia com ansiedade, eu quero a volta de Jesus, e você?

Os comentários estão encerrados.