Meditação diária de 28/01/2017 por Flávio Reti
28/01/2017
Comentários da Lição 5 (1o Trim/2017) por Ligado na Videira
29/01/2017

Meditação diária de 29/01/2017 por Flávio Reti

Dia da Hospitalidade

“Não vos esqueçais da hospitalidade, porque por ela alguns, sem o saberem, hospedaram anjos” Hebreus 13: 2

Parece que, lendo assim muito rápido, tem a ver com hospital, mas não, tem a ver com hospedar. Ao contrário, hospital tem a ver com hospedar. Hospes do latim significa hóspede e hospitare, hospedar de onde vem a palavra hospital e hospitalidade que é o ato de hospedar.

No ano passado, 2016, numa de suas aparições na janela do vaticano, ao fazer referência ao problema migratório que existe na Europa, o papa Francisco declarou que “a hospitalidade genuína é nossa melhor arma contra o terrorismo”.

Como o Brasil sediou a Copa do Mundo em 2014 todos os países que enviaram representantes e torcedores tiveram a oportunidade de avaliar a hospitalidade brasileira. Numa pesquisa elaborada pelo Ministério do Turismo ficou claro que o item que o turista mais valorizou, em visita ao país,

foi a hospitalidade e o que mais detestou foram os preços dos serviços, num total de quarenta e quatro mil turistas que responderam à pesquisa. Eles eram abordados ao passar pelos 15 aeroportos internacionais e dez fronteiras terrestres e dez mil e quatrocentos deles foram abordados no decorrer dos jogos. O resultado foi que 97,2% considerou a hospitalidade brasileira boa ou muito boa.

É fácil prestar boa ou muito boa hospitalidade quando o turista traz dólares para injetar na economia local. Que dizer daquela hospitalidade sem fins lucrativos, aquela prestada simplesmente por boa vontade? Aquela que não se importa com a aparência nem cor da pele?

O apóstolo Paulo recomendava uma irmã chamada Febe, da Igreja de Cencreia, uma cidade portuária perto de Corinto, nas terras gregas. Ele pedia aos crentes romanos que a recebessem no Senhor de modo digno dos santos e a ajudassem em qualquer coisa que ela viesse a precisar porque ela havia sido o amparo de muitos e do próprio Paulo em particular (Rom.16:1 e 2). Especula-se que ela teria levado em mãos a carta que Paulo escreveu aos romanos.

A beleza dessa atitude de hospedar, manifestar hospitalidade, está no fato de que alguns, sem o saber, hospedaram anjos, conforme está no verso de meditação para hoje. Nossa obrigação de ser hospitaleiros não tem nada a ver com causa de terrorismo, como disse o papa. Devemos ser hospitaleiros porque esse era o costume sadio entre os crentes da igreja nascente nos dias dos

apóstolos. Pergunta-se: Se hoje você recebesse algum anjo disfarçado de alguma maneira que você não identificasse nele um anjo, você daria hospedagem? O conselho de Paulo ao escrever para os hebreus, seus patrícios, era que praticassem a hospitalidade, que não se esquecessem dela, porque alguns sem saber receberam anjos. Sabia que você poderá receber um anjo hoje também? E daí, vai hospedar ou vai dissimular de alguma maneira?

“Conquanto fosse judeu, Jesus Se associava sem reserva com os samaritanos, deitando assim por terra os costumes farisaicos de Sua nação. Apesar de seus preconceitos, Ele aceitou a hospitalidade desse povo desprezado. Dormia com eles sob seu teto, comia à mesa deles –

compartilhando da comida preparada e servida por suas mãos – ensinava em suas ruas e tratava-os com a maior bondade e cortesia. Enquanto lhes atraía o coração pelos laços de humana simpatia, Sua divina graça levava-lhes a salvação que os judeus rejeitavam” (CBV, p26). Ninguém precisa temer por fazer boas obras. Ninguém deve se cansar de fazer o bem. Jesus prometeu que no tempo certo ceifaremos, se não nos cansarmos de fazer o bem. Há pessoas que são normalmente

hospitaleira, mas há outras que têm certa dificuldade em receber em casa pastores, obreiros, pessoas

com outros cargos, mas que precisam da sua hospitalidade. Esse temor é natural, vem da índole da pessoa, de seu temperamento. Mas com algum esforço todos podem praticar a hospitalidade, especialmente aos que promovem a pregação do evangelho. Hospitalidade não é abrir e escancarar as portas para qualquer um que aparecer. A bíblia fala muito de hospitalidade se referindo ao

trabalho dos apóstolos nas suas viagens missionárias. Alguns realmente hospedaram anjos: Abraão, Ló, o pai de João Batista, o pai de Sansão, Gideão e outros que a bíblia registra. Ser hospitaleiros é uma missão, e podemos aprender a ser. Se lhe aparecer a oportunidade, experimente ser.

Os comentários estão encerrados.