Meditação diária de 23/09/2019 por Flávio Reti – Roland Garros
23/09/2019
Batismo da Primavera dos Juvenis
24/09/2019

Meditação diária de 24/09/2019 por Flávio Reti – Lisa Gherardini

24 de setembro

I Tessalonissenses 5:20  “Não desprezeis as profecias”

Lisa Gherardini

O que todo mundo conhece hoje como o quadro de Mona Lisa não é apenas o nome do quadro. Mona Lisa foi uma mulher real, de carne e osso, cujo nome de nascimento era Lisa Gherardini, nascida em Florença, na Itália, e em Maio de 1495 ela se casou com um comerciante de nome Francesco di Bartolomeo di Zanobi del Giocondo e por isso às vezes se referem a ela como Lisa del Giocondo, o seu marido. O quadro, quando não havia ainda a fotografia, foi uma encomenda de seu marido a Leonardo da Vinci que era seu vizinho de propriedade na região da Toscana. Ela se casou com apenas 15 anos e seu dote foi de 170 florins e uma fazenda que ficava perto da fazenda de Michelangelo. O marido de Lisa já havia sido casado e ficou viúvo com um menino de um ano. Lisa teve cinco filhos e criou também o menino que herdou no casamento. Segundo os historiadores, Francesco, o marido de Mona Lisa morreu vítima de uma doença desconhecida, uma peste, que grassou pela Europa e ela adoeceu, 4 anos depois, e foi levada por uma de suas filhas para a cidade de Sant’Orsola onde veio a falecer 4 anos depois, em 1542 com a idade de 63 anos. O quadro que seria um retrato de Mona Lisa foi encomendado por Francesco para comemorar a compra de uma casa nova. Da Vinci adiou a entrega do trabalho porque recebeu uma outra encomenda que lhe renderia mais e o requisitante tinha pressa, por isso ele deixou por um tempo o acabamento da pintura de Mona Lisa. Passou o tempo, ele não recebeu o pagamento e também não entregou a obra encomendada por Francesco. Da Vinci se mudou para a França e levou com ele as suas obras, inclusive o quadro de Mona Lisa. Já no Museu do Louvre, a obra foi roubada em 1911 e circulou pela Ásia, pela América durante 60 anos e isso foi o que fez do quadro uma obra famosa. Ao longo do tempo várias versões apareceram especulando a ligação do nome Lisa com quatro outras pinturas e sua identificação com dez pessoas diferentes. No final do século XX o quadro Mona Lisa já havia se transformado numa marca mundial, um ícone, e já havia sido usado em mais de 2.000 anúncios publicitários pelo mundo todo, estando pelo menos em um anúncio a cada semana. Hoje não se faz mais mistérios de quem era e quem mandou fazer a obra, porque já ficou provado que Lisa del Giocondo era realmente a esposa de Francesco Giocondo e que hoje é um patrimônio da França guardado no Museu do Louvre.

Por que tanta especulação em torno de uma simples pintura à qual se atribuiu tanto valor histórico? Fala-se em milhões de dólares o seu valor, uma coisa tão frágil que intrinsicamente não tem valor algum. E porque não se dá o mesmo valor às coisas eternas pintadas nos evangelhos pelos discípulos e apóstolos e preservada também até hoje? Não lhe parece uma grande inversão de valores dar mais valor a um quadro e desprezar a palavra de Deus? Assim são os homens, atribuem valor ao que não tem e desvalorizam o que tem valor. Somos seres humanos, talvez esteja explicado, mas não justificado.

Os comentários estão encerrados.