Comentários da Lição 8 (2o Trim/2019) por Classe ECC (2/2)
24/05/2019
Meditação de Pôr do Sol 24/05/2019 por Rubens Pereira Rios e Isbela Martins Rios
24/05/2019

Meditação diária de 24/05/2019 por Flávio Reti – Anton Flettner

24 de maio

Isaías 60:8  “Quem são esses que vêm voando como nuvens  e como pombas nas suas janelas?”

Anton Flettner

Esse cidadão foi um engenheiro alemão com fama de inventor. Todos sabem que Santos Dumont inventou o avião, voando no seu 14Bis em torno da Torre Eifel, na França, mas os americanos reivindicam a glória para os irmãos Wright, e a disputa continua sem uma definição de quem voou primeiro num voo dirigível. Depois da onça morta todo mundo é caçador, e assim foi, todo mundo quer ter a glória de ter inventado o avião. Nós defendemos Santos Dumont, óbvio. Ele contornou a torre Eiffel, em Paris, à vista do público, com seu dirigível 14Bis, não há como negar. Mas, e o helicóptero, quem inventou? Nova briga! Alguns defendem esse alemão, Anton Flettner, mas há quem defenda que foi um russo de nome Igor Sikorsky, financiado pelos americanos, logo depois da II guerra mundial. Anton Flettner era inicialmente um professor de matemática e de física em um colégio de nível médio em Frankfurt e lá mesmo ele desenvolvia experiências que ajudaram a Alemanha na I Guerra mundial. Seu forte era a canalização dos ventos, usado especialmente nas velas dos navios para diminuir o uso de combustível dos grandes cruzadores dos mares. Durante 4 anos ele trabalhou para o ministério da guerra desenvolvendo controles de ar para veículos terrestres, marítimos e aéreos. Sua gana era desenvolver uma aeronave dirigida sem piloto, ousado ele! E sabe aonde ele chegou aos 29 anos? A um torpedo dirigível remotamente e a um carro de combate de controle remoto que foi apresentado para o Exército Alemão, mas foi rejeitado e considerado um projeto não realizável. É dele também a invenção do ventilador rotativo, hoje usado em ônibus, carros, trens, barcos para auxiliar no resfriamento dos motores. De lá para um ventilador de mesa foi só uma pequena adaptação. Já observou aquela pequena hélice que fica no rabo do helicóptero para evitar que ele gire como um fuso junto com a hélice de sustentação e serve também para dar direção ao helicóptero? Foi mais uma invenção de Anton Flettner. Depois da II Guerra ele e mais alguns alemães foram levados para os Estados unidos e passaram a desenvolver helicópteros para o Exército Americano, para a Força Aérea e para a Marinha durante 14 anos. Albert Einstein foi um dentre os que elogiavam as invenções de Anton Flettner. Ele morreu em Nova York homenageado por toda sociedade, mas foi devolvido à Alemanha e sepultado na sua cidade natal, Hattersheim am Main, onde há um mausoléu visitado por muitos ainda hoje.

O sonho de voar nasceu há muitos anos, dizem que desde Ícaro, Filho de Dédalo na mitologia grega, mas foi incentivado pela geniosidade de Leonard da Vinci. Todos querem um dia voar e nós muito mais, porque um dia, na volta de Jesus, subiremos nos ares para encontrar com o Senhor (I Tess.4:17) e depois partiremos espaço adentro para entrar nas mansões celestiais e lá viver eternamente, onde o universo é o limite. Voar, mas não sem rumo, voar para a eternidade e lá viver para sempre.

Os comentários estão encerrados.